Flor de Cunho

Dúvidas relacionadas com estados de conservação de moedas

Moderador: Moderador de Honra

Mensagem
Autor
Avatar do Utilizador
luisfsb
Reinado D.José
Mensagens: 531
Registado: segunda jan 25, 2010 6:28 pm
Localização: Porto + Gaia

Flor de Cunho

#1 Mensagem por luisfsb » quarta fev 03, 2010 1:14 am

Em relação a "Flor de Cunho", já ouvi duas versões, mas gostava de saber com alguma certeza.

"Flor de Cunho"...

É um Estado de Conservação (como Soberba ou Bem Conservada) ?

Ou é um Tipo de Cunhagem (como Proof ou BNC) ?


Luís F.S.B.
"Todos pensam em deixar um planeta melhor para os nossos filhos...
Quando é que pensarão em deixar filhos melhores para o nosso planeta?"

_________________

Avatar do Utilizador
MBarreleiro
Reinado D.Dinis
Mensagens: 1627
Registado: domingo nov 07, 2004 9:26 pm
Localização: Ermesinde/Porto

Re: Flor de Cunho

#2 Mensagem por MBarreleiro » quarta fev 03, 2010 1:19 am

Cunhagem especial não é!

Podem ser, no máximo, moedas cunhadas com os cunhos ainda novos e separadas de imediato para as carteiras!
Colecciono: Moedas; Cápsulas de espumante; Pacotes de açúcar e Pins de Heráldica
Lista de Pacotes de açúcar em falta: http://www.pacotada.com/listafaltas/mpac1050

Avatar do Utilizador
creative
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 4479
Registado: quarta jun 13, 2007 3:44 pm
Localização: CETÓBRIGA

#3 Mensagem por creative » quarta fev 03, 2010 1:26 am

O que é ao certo não sei, só posso afirmar com certezas que as moedas intituladas como FDC não são mais que as primeiras moedas batidas aquando da abertura do cunho e são seleccionadas as melhores dai resultantes!
Quando precisam de ti, desmancham-se em facilidades, amabilidades e até as calças baixam,
Mas quando lhes pedes algo, soltam todo o seu egoísmo e falsidade!
Mais tarde, irão provar do próprio veneno e sentirão um enorme amargo de boca!

-- João Silva--

Avatar do Utilizador
Paul Gerritsen Plaggert
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 4222
Registado: sexta fev 01, 2008 3:44 am
Localização: São Paulo -SP Brasil

Re: Flor de Cunho

#4 Mensagem por Paul Gerritsen Plaggert » quarta fev 03, 2010 1:52 am

"Flor de Cunho (UNC)", pelas classificações convencionais na maioria dos países, é um estado de conservação, o mais alto grau de perfeição de uma moeda. Ou seja, assim como acabou de sair do cunho, sem sinais de circulação ou de qualquer desgaste. Já uma proof, é flor de cunho em sua natureza, com um acabamento especial, destinada para colecionadores, não sendo destinada à circulação. Teoricamente, todas as moedas "nascem" flores de cunho. Mas o contato entre elas já nos sacos de armazenamento podem criar pequenas mossas ou riscos.Um cunho novo também ajuda! :)
PECVNiA NON OLET

Avatar do Utilizador
EUROESCUDO
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 4916
Registado: sábado mar 07, 2009 12:07 pm
Localização: Maia - Porto - Portugal
Contacto:

#5 Mensagem por EUROESCUDO » quarta fev 03, 2010 1:52 pm

Ministério das Finanças
Decreto-Lei n.º 178/88
de 19 de Maio

Destina-se o presente diploma a substituir os Decretos-Leis n.os 176/83, de 3 de Maio, e 325/84, de 9 de Outubro, que regulamentam a actividade de comercialização de moeda metálica e de outros espécimes numismáticos.
Tendo em atenção a experiência desde então recolhida pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda, E. P., considerou-se indispensável uma revisão dos referidos diplomas, visando estabelecer uma melhor e mais clara definição dos produtos numismáticos a fabricar e a comercializar, bem como clarificar os circuitos de contabilização e de afectação dos seus custos de produção.
Considerando-se que o fabrico de espécimes numismáticos, pelas características técnicas da cunhagem especial a que obriga, acarreta elevados custos de produção, que podem, na maioria dos casos, exceder o respectivo valor facial, o novo texto estabelece que esses custos acrescidos não sejam suportados pelo Estado, mas sim pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda, E. P.
Assim:
Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Artigo 1.º Constitui atribuição da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, E. P. (INCM), a comercialização, nos mercados nacional e internacional, das moedas metálicas correntes ou comemorativas, adiante designadas por espécimes numismáticos com curso legal, bem como a produção e comercialização de espécimes numismáticos sem curso legal.
Art. 2.º Considera-se comercialização a transacção de moedas por preço diferente do correspondente valor facial.
Art. 3.º - 1 - Consideram-se como espécimes numismáticos com curso legal as moedas que apresentem as seguintes qualidades de manufactura:

a) Espécimes «flor de cunho» (FDC) - moedas de cunhagem especial, sobre discos metálicos escolhidos e com recurso a cunhos novos, seleccionados pela qualidade de acabamento superficial nas primeiras séries de cunhagem;

b) Espécimes «brilhantes não circulados» (BNC) - moedas de cunhagem especial, sobre discos metálicos polidos e com recurso a cunhos polidos, apresentando o campo e os relevos uniformemente brilhantes ou uniformemente patinados;

c) Espécimes «provas numismáticas» (proof) - de cunhagem especial, sobre discos metálicos polidos e com recurso a cunhos foscados e polidos, apresentando o campo espelhado e os relevos matizados.

2 - Consideram-se como espécimes numismáticos sem curso legal os que apresentam os mesmos desenhos e diâmetros das moedas portuguesas e as seguintes qualidades de manufactura:

a) Espécimes «prova» - espécimes de cunhagem especial, tendo inscrita no campo a palavra «prova» em relevo;

b) Espécimes pied-fort - espécimes de cunhagem especial, sobre discos metálicos com o dobro ou o triplo da espessura e do peso dos discos utilizados na moeda base da emissão. ----» (Que são as fichas do €uro e não cumprem este regulamento)«---- Escrito por mim

3 - A cunhagem especial das moedas resulta da qualidade e tipo das ligas metálicas utilizadas, do seu peso ou do seu acabamento superficial, sendo normalmente apresentadas devidamente protegidas em embalagem autenticada pela marca da INCM.
Art. 4.º - 1 - Os diplomas que autorizem a emissão de moedas metálicas correntes ou comemorativas devem fixar a quantidade máxima de exemplares das mesmas que serão objecto de cunhagem especial e identificar a sua qualidade de manufactura.
2 - Os diplomas que autorizem a cunhagem de espécimes numismáticos com curso legal, embora com alteração da liga metálica base, devem fixar a quantidade máxima, a liga metálica e as respectivas características intrínsecas.
Art. 5.º - 1 - A INCM deverá facultar o acesso directo dos coleccionadores interessados na aquisição de espécimes numismáticos, designadamente pelo processo da inscrição devidamente publicitada.
2 - Para efeitos da comercilização referida nos artigos 1.º e 2.º, a INCM pode estabelecer contratos com empresas e entidades nacionais e estrangeiras que se dediquem à distribuição e revenda de moedas para coleccionadores.
3 - No mercado nacional, a INCM pode utilizar os canais de acesso ao público constituídos pelas instituições bancárias ou empresas com capacidade adequada, mediante acordo.
Art. 6.º A INCM pode comercializar, no mercado nacional, colecções de moedas e outros espécimes numismáticos estrangeiros, designadamente aqueles que forem cunhados na própria INCM, segundo acordo que, para o efeito, estabeleça com as competentes entidades estrangeiras.
Art. 7.º - 1 - A exportação de moeda com curso legal ou outros espécimes numismáticos, com ou sem curso legal, designadamente aqueles que contêm ouro ou outros metais preciosos, carece de prévia autorização do Banco de Portugal, devendo a INCM fornecer, para o efeito, os montantes, características e condicionalismos essenciais da exportação que se propõe efectuar, especificando os exemplares em cuja liga entram metais preciosos.
2 - A autorização prevista no número anterior será bastante para que se considerem preenchidos os condicionalismos legais da operação de exportação.
3 - A efectiva exportação, parcial ou global, a efectuar conforme as exigências do mercado, de moedas ou outros espécimes numismáticos referidos neste diploma será comunicada pela INCM ao Banco de Portugal, para efeitos de registo das existências em ouro ou dos metais preciosos que aquele Banco indicar.
Art. 8.º A INCM fixará os preços de venda de espécimes numismáticos, com ou sem curso legal, destinados à comercialização nos mercados nacional e internacional, bem como os preços de venda de moedas metálicas não embaladas destinadas aos mercados de exportação.
Art. 9.º - 1 - Os espécimes numismáticos com curso legal destinados à comercialização são distribuídos pela INCM à medida das necessidades comerciais dos mercados a que se destinam, devendo o correspondente valor facial dar entrada no Banco de Portugal, como caixa geral do Tesouro, mediante emissão pela Direcção-Geral do Tesouro de guias de operações de tesouraria sob a rubrica «Operações de amoedação».
2 - As moedas metálicas não embaladas, correntes ou comemorativas, destinadas aos mercados de exportação serão adquiridas pela INCM ao Banco de Portugal pelo respectivo valor facial.
Art. 10.º - 1 - Os custos totais de produção dos espécimes numismáticos sem curso legal, bem como dos espécimes numismáticos com curso legal em que haja alteração da liga metálica base, comercializados pela INCM, não serão incluídos na facturação desta ao Ministério das Finanças, constituindo encargo da INCM.
2 - No caso de espécimes numismáticos com curso legal em que não haja alteração da liga metálica base, a INCM apenas facturará ao Ministério das Finanças os custos de produção, metal e custo de transformação, correspondentes ao fabrico das mesmas moedas em regime de cunhagem normal, aos preços acordados com a Direcção-Geral do Tesouro.
3 - Serão estabelecidos acordos específicos entre o Ministério das Finanças e a INCM relativamente à percentagem que a empresa deverá entregar ao Estado proveniente da venda de espécimes numismáticos nacionais com curso legal.
4 - A percentagem prevista no número anterior é calculada tendo em conta o preço estimado de venda ao público.
5 - O valor da percentagem referida no número anterior constitui receita do Estado e será entregue à Direcção-Geral do Tesouro, que, para o efeito, emitirá as correspondentes guias de operações de tesouraria sob a rubrica «Mais-valia de moedas comercializáveis».
Art. 11.º Os resultados da comercialização de moedas metálicas e de espécimes numismáticos constituem receita própria da INCM, nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 43.º do Decreto-Lei n.º 333/81, de 7 de Dezembro.
Art. 12.º À INCM, neste domínio, compete:

a) Planear a curto e médio prazo as emissões monetárias comemorativas, bem como propor as suas características técnicas, nos termos do capítulo III do Decreto-Lei n.º 293/86, de 12 de Setembro;
b) Planear a emissão de espécimes numismáticos de moedas correntes e comemorativas, de acordo com o estudo dos mercados interno e externo da especialidade;
c) Elaborar os elementos contabilísticos de controle destinados ao Ministério das Finanças.

Art. 13.º São revogados os Decretos-Leis n.os 176/83, de 3 de Maio, e 325/84, de 9 de Outubro.
Art. 14.º A partir da data em que Portugal adoptar o euro como moeda, o presente diploma será aplicado em conjugação com o disposto no artigo 105.º-A, n.º 2, do Tratado Que Institui a Comunidade Europeia e com as medidas adoptadas pelo Conselho da União Europeia nos termos desse artigo.
(Aditado pelo artigo 6.º do DL 138/98, de 16 de Maio).

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 21 de Abril de 1988. - Aníbal António Cavaco Silva - Miguel José Ribeiro Cadilhe.
Promulgado em 6 de Maio de 1988.
Publique-se.
O Presidente da República, MÁRIO SOARES.
Referendado em 10 de Maio de 1988.
O Primeiro-Ministro, Aníbal António Cavaco Silva.


Em PDF
Imagem
C/ Melhores cumprimentos:
M E N D E S
€uroe$cudo

Consulta Rápida do Fórum ---- Literatura On-line [PDF]

MCarvalho
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 8327
Registado: sexta nov 05, 2004 9:55 pm

#6 Mensagem por MCarvalho » quarta fev 03, 2010 5:03 pm

Teoricamente, todas as moedas "nascem" flores de cunho. Mas o contato entre elas já nos sacos de armazenamento podem criar pequenas mossas ou riscos.Um cunho novo também ajuda!
Isso é verdade, no entanto, o mesmo contacto entre as moedas, o armazenamento, a própria oxidação impedem que as moedas se mantenham no estado FDC (isto segundo o que eu penso); é por isso que acho que na nossa escala, FDC é um estado de conservação teórico e não uma realidade, o melhor que conseguimos são as Soberbas.

É claro que a lei apresentada pelo amigo Mendes diz uma coisa um bocado parecida, mas isso, no meu entender, é mais publicidade da INCM do que realidade ;)
MCarvalho

Avatar do Utilizador
EUROESCUDO
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 4916
Registado: sábado mar 07, 2009 12:07 pm
Localização: Maia - Porto - Portugal
Contacto:

#7 Mensagem por EUROESCUDO » quarta fev 03, 2010 5:50 pm

Será que o INCM não teria interesse que fossem todas vendidas como FC ;)

Eu acho que sim, pode concerteza ser publicidade e concordo que se nunca circularam....

aUNC = BELA
UNC = SOBERBA

Bem.. mas tenho pena de não ter guardado os alveolos do comerciante que conseguia classificar Flôr de Cunho + :rotate:

:thumbupleft:
C/ Melhores cumprimentos:
M E N D E S
€uroe$cudo

Consulta Rápida do Fórum ---- Literatura On-line [PDF]

Avatar do Utilizador
danielsilva
Reinado D.Carlos
Mensagens: 114
Registado: sábado out 21, 2006 2:12 am
Localização: V.N.Famalicão/Viana do Castelo

#8 Mensagem por danielsilva » quarta fev 03, 2010 6:24 pm

Acerca deste assunto, existe um topico mais antigo, que li recentemente. Tem 9 paginas mas vale a pena ler.

Ei-lo http://www.forum-numismatica.com/viewto ... 12&t=11557
Cumprimentos Daniel Silva

Avatar do Utilizador
EUROESCUDO
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 4916
Registado: sábado mar 07, 2009 12:07 pm
Localização: Maia - Porto - Portugal
Contacto:

Re:

#9 Mensagem por EUROESCUDO » quarta fev 03, 2010 8:03 pm

danielsilva Escreveu:Acerca deste assunto, existe um topico mais antigo, que li recentemente. Tem 9 paginas mas vale a pena ler.

Ei-lo http://www.forum-numismatica.com/viewto ... 12&t=11557
Li alguma parte do tópico e o Decreto que postei, já tinha informação lá constante, é um assunto que dá paginas e diverge as opiniões :think:

Também foi dito que Confirma-se o facto de Flor de Cunho, mas o decreto também é explicito:
a) «Flor de cunho» (FDC) - moedas cunhadas sobre discos metálicos escolhidos e com recurso a cunhos novos, seleccionadas pela qualidade de acabamento superficial nas primeiras séries de cunhagem;
Daqui se são as primeiras do cunho novo, resultam somente para cunhagem das primeiras e depois aproveitado o cunho para moedas de circulação normal.

Estou como foi dito, Talvez publicidade do INCM e não digo mais :thumbupleft:
C/ Melhores cumprimentos:
M E N D E S
€uroe$cudo

Consulta Rápida do Fórum ---- Literatura On-line [PDF]

MCarvalho
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 8327
Registado: sexta nov 05, 2004 9:55 pm

#10 Mensagem por MCarvalho » quarta fev 03, 2010 8:21 pm

Bem.. mas tenho pena de não ter guardado os alveolos do comerciante que conseguia classificar Flôr de Cunho +
Também me lembro dele. Acho que ainda tem a loja aberta ;)
MCarvalho

Responder

Voltar para “Estados de Conservação”