quarto de dinheiro?

Moderadores: palves, LMACHADO, numisiuris, crislaine, Jacinto Silva, Praça, Moderador de Honra

MCarvalho
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 7603
Registado: sexta nov 05, 2004 9:55 pm

Re: quarto de dinheiro?

Mensagempor MCarvalho » sexta jun 02, 2017 10:14 am

Guerras84 Escreveu:olá

concordo que um dos cortes é limpo. Deu origem ao meio dinheiro que possibilitou um qualquer pagamento. O outro corte já não me parece "limpo" e intencional. Creio trata-se de obra de um qualquer acaso ocorrido durante o tempo que esteve perdido. O argumento do MCarvalho é elucidativo de quão desnecessário seria em 1253 1/4 de dinheiro.
Ou será que já havia pastilhas elásticas gorila? :think:
Cumprimentos
CGuerra


:)

É sempre complicado percebermos o que esteve por trás do corte. Em última análise, o corte pode ter sido feito muito depois do tempo de vida útil do dinheiro. Alguém, no passado, encontrou a moeda e partiu-a com uma tesoura um um facalhão. A teoria de Fernão Lopes (tal como muitas outras) foi escutada em segunda ou terceira mão. Fernão Lopes escreveu na década de 1430-40. Duzentos anos após essa moeda, 70 anos após a redução do valor dos dinheiros por D. Fernando e da maior parte dos acontecimentos do Interregno.

Preços :)

Da mesma documentação, de um livro antigo que gostei muito de ler, mas não encontro no mercado (José Dias Preto Pacheco - Do Poder de Compra das Moedas Portuguesas, Lisboa, 1938, é a base do livro7álbum mais recente do Pedro Vasconcelos).

As célebres solas :) 1145 - 4 dinheiros/ 1253 (da altura do nosso espécime) 24 dinheiros (os sapatos custavam 48 d).
No caso dos ovos, em 1253, 8 ovos custavam 4 d, significa que 1 ovo, seria uma mealha/1/2 d.
MCarvalho

Avatar do Utilizador
numisiuris
Reinado D.Manuel I
Mensagens: 1121
Registado: sexta abr 11, 2014 7:07 am

Re: quarto de dinheiro?

Mensagempor numisiuris » sexta jun 02, 2017 7:51 pm

Bem, ainda não chegámos ao preço dos alfinetes, nem das rolhas de cortiça! ;) há muitos cortes não limpos que representam fracionamentos intencionais de moedas. Os achados dã-no a entender. O problema é de facto diferenciar os que não representam isso e foram fruto de outras circunstâncias. Vamos esperar que apareça um quarto de um dinheiro velho. ;)

Avatar do Utilizador
numisiuris
Reinado D.Manuel I
Mensagens: 1121
Registado: sexta abr 11, 2014 7:07 am

Re: quarto de dinheiro?

Mensagempor numisiuris » sábado jun 03, 2017 1:50 am

Lembrei-me de uma coisa. A lógica de pensamento que temos hoje em dia, acaba por estar muito influenciada por uma rápida absorção de muitos e diversificados fenómenos. Até aliás há bem poucos anos, e hoje ainda, em muito maior escala do que o que se pensa, havia muitas povoações, a maioria das povoações do país, em que as pessoas viviam isoladas e de uma forma comunitária. O comunitarismo de quem só vai à cidade de ano a ano já não existe, mas existem resquícios de modos de pensar, herdados por tradição e educação, que transparecem ainda hoje em dia esse modo de pensamento mais fechado e sobretudo com mais tempo. Imaginando-se um mundo sem televisão, sem internet, sem jornais, imagina-se um mundo em que se reflectem muitos modos de agir, determinados por um pensamento próprio, que ainda hoje se observam em determinados locais. Mais afastados, mais desertificados. Nesses sítios, as pessoas vivem um pouco “às aranhas”. Até há bem pouco tempo não havia internet e, há uns 30 anos, não havia televisão. Os modos de negociar, eram completamente distintos. Quem vende hoje um cigarro avulso? Pois eu ainda os comprei muitas vezes em quiosques. Divide-se, corta-se, emenda-se. Nada vai muito a direito. Há muito tempo para pensar. Não como hoje, tudo é padronizado. Os núcleos urbanos não eram assim. Nunca foram assim. Nem as povoações rurais no seu redor, que com eles mantinham laços estreitos. Mas para zonas do interior, as coisas seriam diferentes. Ainda conheci eu, em muito pequeno, um indivíduo que vivia com o irmão no meio do pinhal, sem luz nem água canalizada. Com o irmão primeiro, que já não conheci, e depois sozinho. Mas nos anos 80, lá vinha ele a pé até à cidade, uma ou duas vezes por ano. Trazia umas coisas que fazia manualmente, ou produtos agrícolas, ou caça e trocava-as por ferramentas ou coisas de que precisava. O sítio em que vivia, em linha recta, estava a 4 km da povoação mais próxima, que raramente frequentava. Isto acabou com o indíviduo a ser resgatado pela segurança social. Levaram-no para um lar, em São Vicente da Beira, e morreu meses depois. Isto tudo para dizer, que se recuarmos 700 ou 800 anos e amplificarmos tudo isto, acabamos com uma parcela da sociedade muito distinta da que existia junto a aglomerados urbanos e que não é alvo de historiografia, porque nesses sítios nada de relevante para a história acontecia. E em 1279, antes e mesmo depois, eram muitos sítios, com muitas pessoas. Que acabavam por vir à feira, ou à festa religiosa. De resto, não saíam de ao pé das terras que cultivavam e dos animais que apascentavam. Ora, pessoas sem qualquer rotina urbana e sem uma noção clara do valor do dinheiro, embarcariam naturalmente em negócios fora do normal. As coisas seriam casuísticas e tudo poderia acontecer, penso. Mas isto são ideias esparsas. Nem sei se faz sentido colocá-las aqui mais do que para conversarmos. Os sítios onde se fizeram feiras medievais, serão talvez os mais indicados para encontrar achados deste género. Talvez numa amostra (não de um tesouro, que reflecte meras realidades que podem ser casuísticas e circunstanciais – quantos se encontram apenas com um ou dois tipos?) de um achado. ou vários, numa localização dessas, trouxesse luzes efectivas quanto ao numerário em circulação. A serem possíveis estes quartos de dinheiro, seriam naturalmente mínguas do que circularia. E seriam naturalmente excepções. Mas o que não descarto é a hipótese real de terem existido “objectos” (chamemos-lhe assim) destes que tenham cumprido a sua função liberatória efectiva em dado momento da história.


Voltar para “1ª Dinastia”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante