Enquanto isso, na Espanha... dá tempo de trocar pesetas por euros

Discussões sobre numismática que não se enquadrem nos restantes forums

Moderador: Moderador de Honra

Responder
Mensagem
Autor
AdrianoHS
Reinado D.João IV
Mensagens: 700
Registado: segunda nov 26, 2018 4:47 am

Enquanto isso, na Espanha... dá tempo de trocar pesetas por euros

#1 Mensagem por AdrianoHS » terça set 08, 2020 1:28 pm

Notícia curiosa essa.
Quem dera, no Brasil, pudéssemos trocar as baciadas de dinheiro sem valor por dinheiro corrente.
166 pesetas=1 euro, acho.
https://www.lainformacion.com/economia- ... s/2814396/



Avatar do Utilizador
silvio2
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 6266
Registado: sexta jun 28, 2013 4:10 pm
Localização: Leiria (Distrito)

Re: Enquanto isso, na Espanha... dá tempo de trocar pesetas por euros

#2 Mensagem por silvio2 » quarta set 09, 2020 5:02 pm

Olá, amigo Adriano

Cada país da U.E. que após a sua entrada adoptou o Euro, tomou diferentes medidas quanto à troca
das suas antigas moedas e notas. Assim, enquanto uns deram um prazo limitado para efectuar a troca, noutros o prazo é ilimitado como pode verificar no "link" seguinte Período para a troca de moeda (por país).

No caso português, o prazo dado para a troca de moeda (metálica) foi até o final do ano 2002 (ano da entrada). Com um espaço de tempo tão curto e com a "natural confusão" (causada por haver ainda a aceitação de escudos em simultâneo com os euros) fez com que muita gente não desse conta do fim do prazo e, assim, ficaram por trocar cerca de 36 milhões de contos (180 milhões de euros).
Abraço. :beer:
Cumprimentos,
Sílvio Silva

AdrianoHS
Reinado D.João IV
Mensagens: 700
Registado: segunda nov 26, 2018 4:47 am

Re: Enquanto isso, na Espanha... dá tempo de trocar pesetas por euros

#3 Mensagem por AdrianoHS » quarta set 09, 2020 6:26 pm

Olá, Sílvio.

Eu imaginava que a integração monetária do bloco havia se dado de forma mais homogênea e engessada (a retirada das moedas locais). É muito interessante o processo de formação e manutenção da U.E. nesse aspecto de meio circulante. Aqui volta e meia ressurge a conversa da formação, de fato, do bloco do Mercosul onde culminaria com uma hipotética unificação das moedas. Nunca sairá do papel, claro existe a natural desconfiança nossa para com os vizinhos e vice versa sobre aspectos de soberania, convicções históricas, diferenças étnicas/sociais/linguísticas, etc. mas não seriam os principais obstáculos. Unificação tarifaria, legislações trabalhistas comuns, alfândegas abertas dando o cobiçado acesso ao Pacífico pelo Brasil, tudo sob uma única moeda é tentador realmente. Mas creio ser impossível devido o caos institucional das nações da América do sul. O Brasil já é uma imensa bagunça (já tivemos nove moedas) imagine nossos vizinhos. Estados sufocantes (boa parte completamente falidos) com governantes tacanhos e bipolares que sucessivamente se perpetuam e convulsionam em crises, dificilmente cumpriríamos um acordo tão sério assim. Dado nosso tamanho e riqueza (únicos motivos desse país incrivelmente ainda existir) optamos não integrar uma aventura sul-americana o que exigiria mais sabedoria do que possuímos. Quem sabe um dia; um antigo presidente nosso disse certa vez que o Brasil não é um país pobre...é um país injusto (demorei a entender a extensão disso na época), pela opulência do território e o imenso abismo social que joga na miséria uma boa porte da população, não conseguimos resolver essas diferenças internamente, dirá em bloco.
Deve ter sido bem difícil, até emotivamente, abrirem mão de suas moedas nacionais. Afinal são, também, identidades de seus povos. Bem ou mal os escudos eram bem simpáticos.

Obrigado pelo complemento da informação e grande abraço, amigo. :beer:

Responder

Voltar para “Numismática em geral”