Dicionário de Numismática

Discussões sobre numismática que não se enquadrem nos restantes forums

Moderador: Moderador de Honra

Avatar do Utilizador
JuanaCunha
Reinado D.João VI
Mensagens: 436
Registado: segunda fev 02, 2009 11:47 pm
Localização: Torres Vedras
Contacto:

Dicionário de Numismática

Mensagempor JuanaCunha » quarta abr 22, 2009 2:52 pm

A

*Abacis
Segundo Teixeira de Aragão, seria uma moeda usada na Índia Portuguesa e colônias da África do Leste.

*Abasi
Moeda de prata de origem persa. Cunhada originariamente em nome do Shah Abas I, H 996//1038 (1587/1629), mantendo a denominação. Dividida em 2 mahmudis ou 4 shahis ou 10 bisti.
Padrão adotado também pela Geórgia, que emitiu essas moedas entre 1744/72.

*Abbey/peças (Abbey pieces)
Como são conhecidas as moedas e tokens emitidos pelo monastério de Abbey na idade média, que tinha o privilégio do direito de cunhagem.

*Abidi
Como se chamava a moeda de meia rúpia (de prata) do Estado nativo indiano de Mysore.

*Abraemos
Segundo Teixeira de Aragão, seria uma moeda cunhada pelos portugueses para uso nas possessões da Índia.

Abreviatura
Sinal constituído por uma só letra ou por um grupo de letras em substituição de uma palavra ou mesmo de uma expressão.

*Abschlag

Termo alemão usado para designar uma moeda relançada (restrike) em tempos bem posteriores usando-se os cunhos originais. Como exemplo as moedas de 100 pesetas de ouro de Alfonso XIII da Espanha, batidas décadas depois do fim do séc. XIX com os mesmos cunhos.

*Abundantia - (grego Euthenia) (Abundância, riqueza)
Divindade alegoria da abundância representada por uma formosa donzela com uma cornucópia, o corno da abundância, que derrama moedas ou frutos e cereais. Seus atributos são a cornucópia e o ramo de cereal.

*Adha
Meio Mohur (moeda de ouro) cunhada no Nepal dos Rajas Mallas, séc. XVII.

*Adhada
Moeda de conta usada nos Estados nativos indianos de Cutch e Kathiawar, equivalia a 1/96 de Khori

*Adheeda
Denominação do 8 annas do Nepal.

*Adhela
Moeda de cobre do Hindustão, equivalia a meio Dam.

*Adlea/Adli
Moeda de bolhão com banho de ouro emitida pelo sultão Yusuf Pasha de Trípoli (Líbia) em 1827, com o curso forçado de uma peça espanhola de 8 reales ("spanish dolar"). Perdeu depois de entrar em circulação cerca de 90% de seu valor, motivando a queda do sultão.

*Adler Pfenning
Como eram chamadas algumas moedas de prata/bolhão circulantes em certos Estados alemães, que tinham dupla águia.

Adulterada
Falseada ou viciada.

*Ae/Aes
Termo que em latim tem o significado "bronze". É um termo largamente utilizado para definir as antigas moedas greco-romanas desse metal ou de cobre. Algumas das denominações das velhas moedas clássicas de cobre/bronze são desconhecidas ou discutidas, daí que catálogos e colecionadores, por uma questão prática e para facilitar a classificação, utilizam-se da palavra "AE" + o tamanho em milimetros da peça de cobre ou bronze para classificá-las pelos diâmetros. Assim temos, por exemplo, o AE15 (15 milímetros), AE20 (20 milímetros), etc...
Em relação aos cobres romanos do Baixo Império (maiorinas, centenionais, nummus, etc...), devido à grande variedade de cunhagens, com variações diversas e as vezes mínimas de diâmetros entre elas, utilizam-se, para simplificação, denominações que têm uma correspondência em milímetros pré-determinada, exemplo: AE1 (corresponde a moedas com mais de 25mm), e assim por diante.

*Ae1/AesI

Cobre/bronze do baixo império que alcaçava algo entre 25mm ou mais se enquadra nessa definição. Eram as "duplas maiorinas" de Magnentius, que pesavam cerca de 8 gramas de cobre, e que com Juliano II chegaram a pesar um pouco mais além.

*Ae2/AesII
Cobres/bronzes do baixo império que tinham cerca de 20 a 25mm (pesaria entre 4,45 a 5,45 grms). corresponderiam aos primeiros centenionais (ou maiorinas, por serem algo maiores, segundo alguns autores).

*Ae3/AesIII

Cobres/bronzes do baixo império que tinham cerca de 16 a 25mm. Corresponderiam aos centenionais mais "abundantes" e "ordinários", pesando algo entre 2,27 (peso reduzido por Teodósio) a 2,72 grms( peso iniciado com Constâncio II) em teoria.

*Ae4/AesIV
O menor cobre/bronze do baixo império romano, que compreendia para efeito de classificação as moedas com menos de 15 mm. Eram os 1/2 centenionais, também conhecidos por "nummus" ("pequeno" em grego). No fim do império chegaram a ter 1 grama ou até menos.

*Aequitas - (grego Dikaiosine)(Equidade, Igualdade, Justiça)
Símbolo da equidade ou justiça, é a "deusa do direito". Seus atributos são a balança e cornucópia.

*Aerosi Nummi
Forma de denominação romana para moedas de bolhão (prata baixa).

*Aeternitas (Eternidade, Imortalidade)
Matrona de pé, transportando numa mão a cabeça do Sol e na outra a cabeça da Lua. Tem diversos atributos, como o globo, tocha, ave, entre outros.

*Afonso de ouro
Como também era conhecido o cruzado de ouro português cunhado por D. Afonso V.

*Africa
Mulher togada com uma pele de elefante, que se apresenta reclinada ao chão. Representa as provincias romanas do norte da África (tais como os territórios que hoje são a Argélia, Tunísia, Marrocos, etc...)

*Ag/Ar
Trata-se de uma abreviação utilizada para denominar "prata", metal que em latim tem o nome de Argentum.

*Akcheh (Othmani)
Pequena moeda de prata do império otomano (turca). Sua cunhagem iniciou-se no ano hegira de 729, pelo filho do grande Othman I, Urkhan. Cunhagem muito comum e popular durante quase todo o período de existÊncia do império otomano e seus domínios.

*Akbtar
Nome dado ao cobre de 5 cash do Estado indiano de Mysore, em 1792.

*Alamgiri
Pequeno cobre que tinha curso no principado indiano de Deccan. Valia 1/64 de rupia.

*Albus
"Branco" em latim. Era devido a cor "branca" da prata de boa liga com que era feita a moeda. Também conhecida como "pffenig branco". Este tipo de "groat", ou "groschen", em alemão, trazia inicialmente o retrato de S. Paulo, e foi introduzida no Estado alemão de Trier (bispado) pelo bispo local, em 1368. Era uma das moedas mais respeitadas na região, devido ao bom teor. Entretanto, a partir do séc. XVI, outros Estados germânicos começam a emitir moedas com essa denominação, peças essas que não tinham a pureza das originais, e o "pffening branco" foi cada vez mais desvalorizado na sua composição de metal precioso.

*Alexandria
Também chamada de Alexandra, era a representação feminina da cidade de Alexandria, no Egito. A Deusa aparece segurando cereais, visto que a cidade de Alexandria era importantíssima no fornecimento desses gêneros à Roma. Também aparece representada por uma mulher com pele de elefante.

Alpaca
Liga metálica de níquel, zinco e cobre, também conhecida por metal branco, prata níquel e argentão.

Alvéolo
Objecto onde se podem armazenar as moedas e/ou medalhas. Pequenos “envelopes”, onde se introduzem as moedas. Podem ser autocolantes ou podem ter de ser fechados com agrafos.

Amoedação
Acto de amoedar; transformação em moeda; cunhagem de moeda.

Amoedar
Dar a um metal a forma e valor de moeda; reduzir a moeda; cunhar (moeda).

*Anepígrafa
A moeda que não possui inscrição de legendas em qualquer de suas faces.

Anómala
Moeda fora de comum.

*Annona (colheita do ano, provisões, viveres)
Para os romanos significava provisões de viveres para um ano e era representada por uma matrona sentada. A figura é muito semelhante à Abundantia. Representa a vidima, a colheita. Seus atributos são a âncora e a proa.

Anverso
Face ou lado principal de uma moeda ou medalha; lado oposto ao reverso.
Representa quase sempre a entidade emissora. Geralmente é a face constituída pela efígie, ou seja, figura do soberano ou chefe de estado do País emissor. Na gíria popular designa-se por “cara”.

*Apolo (grego - Febo)
Deus, filho de Júpiter e de Letona, simboliza a vida. Tem como atributos a lira e arco e flecha.

*Arábia

Nas cunhagens clássicas, Arábia era a personificação das terras da península arábica, que foram conquistadas e unificadas sob Trajano. É representada por uma mulher acompanhada de um camelo ou avestruz.

*AS/aes
Foram as primeiras moedas surgidas no nascente mundo romano. Tratavam-se de meros liguotes fundidos toscamente, e martelados, circulando a peso de metal. Não possuiam gravação e nem marca que indicasse Estado emissor ou qualquer valor, bem como tinham pesos irregulares e muito variantes (de 8 gramas até cerca de 600 gramas). Não podiam assim ser técnicamente denominadas de moedas, recebem o nome de "As rude", são a gênese da numária romana.
Após o "As rude", surgem em cerca de 320/280 AC, peças de cobre/bronze mais elaboradas e até maiores, que traziam figuras de animais (como elefantes, por exemplo) e de cereais, ou objetos. Esses sinais indicavam já uma equivalência com a "libra" romana (velha unidade de peso). Eram os "As Signatum" (com sinais), que viriam a substituir o velho "ae rude".
Após 280 AC, começaram a surgir os "As Grave" ou As Libral, denominação que tem a ver com seu peso, que era grande, elas tinham o valor do que pesavam, valor intrinseco portanto. Foram substituindo o antigo Aes Signatum. Eram moedas redondas, tendo o peso de 1 libra romana (cerca de 325 gramas), e traziam a indicação "I", que indicava o valor de 12 onças. Surgiram as denominações divisionárias dessa moedas: 1/2 As = Semis. 1/3 de As = Triens. 1/4 de As = Quadrans. 1/6 de As = Sextans. 1/12 de As = Uncia.


*Ásia
Nas cunhagens clássicas, representava as províncias romanas da Ásia menor, terras onde hoje se situam a Líbia, Israel, Turquia, etc... Era representada por uma mulher junto à proa de navio.

*Aspergillum
Instrumento de aspergir, usado pelos sacerdotes nos rituais de sacrifício. Muito representado na numária romana.

*Athena
V. Minerva

*Au
Abreviação usada para referir-se a ouro, metal que tem sua denominação latina de "aurum"

*Augustalis
Moeda de ouro medieval alemã, que foi cunhada a partir de 1194, pelo imperador Frederico II, trazendo no verso, o busto laureado do mesmo, representado como um imperador romano, e no reverso a inscrição latina "FREDERICVS IMP ROM CAES AVG". Em tudo lembrava um velho "aureus" romano. Tinha também um relevo "forte" e bem saliente, tal como na numária romana. Daí o nome da peça: "Augustalis.


B

*Baco (Grego-Dioniso)
Deus, filho de Júpiter e de Samale. Simboliza a vindima. Aparece nas cunhagens com uma coroa de folhas de parreira. Não é muito comum nas cunhagens romanas, aparece mais nas provinciais.


Barbuda
Moeda de bolhão, mandada lavrar por D. Fernando I de Portugal, em 1370. O nome deriva do facto de ostentar, numa das faces, o busto do rei com a cabeça coberta por um elmo com babeira, então chamado barbuda. Foi cunhada em bolhão de 250 milésimos. Peso médio teórico, 4,33 g. Lançada em circulação com o valor nominal de vinte soldos, acabou por valer apenas dois soldos e quatro dinheiros de conta.

*Basileus
Denominação grega usada para definir "rei". Foi utilizada pelos sucessores de Alexandre o Grande, e também pelos imperadores bizantinos.

*Batzen
Palavra de origem alemã, usada para denominar determinadas moedas cunhadas no sul da Alemanha, alguns Estados italianos e Suiça. Valia 4 kreuzers. Surgiu no séc. XIV, numa época de escassês de "groschens" de prata, verificada na Suiíça e sul da Alemanha. O nome provavelmente deriva de "betz", ou "urso" em suíço, animal símbolo da cidade de Berna, que teria sido a primeira a emitir esse numerário.

BC - Bem conservada
Moeda circulada. Relevo da gravura com consideráveis sinais de desgaste, mas com todos os pormenores bem visíveis, incluindo a legenda e data. Pode apresentar mossas e riscos.

BELA
Moeda que aparenta não Ter circulado. Ligeiros sinais de desgaste nas pontas mais altas do relevo da gravura, alguma oxidação ou patine uniforme.

*Biga
Espécie de antigo carro de guerra que era puxado por dois cavalos. Aparece muito representada nas cunhagens romanas. Pode ser puxada por outros animais ou figuras, como cabras ou cupidos, por exemplo.

Bimetal
Constituída por dois metais.

Bimetalismo
Sistema em que ouro e prata têm valor legal fixo.

BNC - Brilhante não circulada
Moeda com cunhagem sobre disco metálico especialmente preparado e com recurso a cunho polido, é realçado o seu brilho e não se destina a circulação.

Bolhão
Liga metálica (prata e cobre) em que a prata intervém numa quantidade nunca superior a 500 o/oo.

*Bonus Eventus
Bonus Eventus era um deus de origem grega, ligado inicialmente à fertilidade da terra, seria um deus de culto privado, mas chegou a ter um templo em Roma. Após, foi associado à boa sorte, principalmente a sorte do império romano e também do exército. Deus com certa popularidade nas cunhagens, com no reinado de Adriano e de Trajano, por exemplo. Seus atributos variaram muito no decorrer do tempo: Quarto-crescente, patera, cornucópia, espigas, etc...


Bordo
Superfície curva de uma moeda que determina a sua espessura. Pode ser serrilhada, ornada, lisa ou com legenda.

*Bracteata
Pequena, leve e fina moeda de prata surgida na Alemanha, em período medieval. Era gravada apenas de um lado. Uma fina chapa de prata era "prensada" sobre uma gravação de alto relevo em bigorna, de modo que o anverso da moeda ficava em relevo, e nada havia no reverso além da "funda" decorrente prensagem. Foram batidas também no séc. XVII, e levaram o nome latino, que significava "fina folha de metal". Algumas peças do séc. XII e XIV tem gravações de alta qualidade e muito atrativas. Foram batidas também em países escandinavos.


Bronze
Liga bastante dura de cobre e estanho, que pode conter zinco e outros elementos.

Busto
Busto é a representação esculpida de uma pessoa, limitando-se à cabeça, pescoço, uma parte do torso e ombros. Tem por finalidade recriar o mais fielmente possível a fisionomia do indivíduo.

C

*Caduceu
Vara rodeada por duas cobras entrelaçadas, representa a paz, é um atributo do Deus Mercúrio (Hermes), foi um presente de paz dado a Mercúrio pelo deus Apolo, que daquele ganhou uma lira. Representação muito presente nas cunhagens romanas como um todo.

*Campo
Todo o espaço central de uma ou de outra face da moeda chama-se campo epigrafico. Campo numismático é o compreendido entre as legendas e o centro da peça.

*Caritas (ternura, amor, caridade, carestia)
Representa-se por uma Deusa Com um véu e a correspondente legenda. Aparece sempre com a mão direita levantada.

*Ceca
Palavra de origem árabe, que significa "casa da moeda" ou de cunhagem. É usada no idioma espanhol. É a "casa emissora", a oficina que bate as moedas, geralmente deixando nelas sua marca (nem sempre). Em latim era a "officina monetallis".

Ceitil
Moeda de cobre, que fez lavrar el-rei D. Afonso V, em memória da cidade Ceita, Septa ou Ceuta, que conquistou aos Mouros (outra hipótese é que a palavra venha de "sextil", 1/6 real branco). Valia a sexta parte de um real branco, e posteriormente passou a valer 1/5 da referida moeda).

Cercadura
Série de pontos ou traços que circundam a legenda.

Cerceada
Moeda cujo peso foi reduzido fraudulentamente. A cerceadura resultava do bordo limado ou raspado, ou muito substancialmente diminuído, por forma a subtrair-lhe o peso legal na origem. Obtinha-se assim uma limalha preciosa, que depois era (re)utilizada para os fins mais diversos.

*Ceres, deusa da Agricultura (grega - Demeter)

Filha de Cronos e de Cibele. Era a deusa das plantas e do amor maternal. Adotada pelos romanos durante um período de grande fome. Cultuada pelas classes plebéias, que eram as que se dedicavam ao comércio de cereais. Seus atributos são o cetro, um cesto de flores e frutos tendo uma coroa feita de trigo.

Chinfrão
O Chinfrão, ou meio real grosso, foi lavrado, de 1472 a 1489, em liga de prata de 11 dinheiros de lei ( 916,6/1000 ) com o peso aproximado de 1,5 gr. Valia 12 reais brancos, ou três espadins e destinava-se às pequenas transacções. Batido em Lisboa e no Porto, apresenta um tipo de anverso característico: uma grande inicial A, coroada, tendo ao centro as letras monetárias L ou P. Era também conhecido por “delgadinho”.

*Chi-Rho
O mesmo que Cristograma (v. Cristograma)

*Cibele
Esposa de Saturno. Era a mãe dos Deuses (a Magna Mater deorum Idae), a própria terra. Foi adotada pelos romanos, mas era uma deusa mesmo pré-helénica. Relacionada com a fertilidade. Aparece nas moedas como uma representação feminina usando uma coroa mural.

*Claritas (claridade, brilho, celebridade)
relacionada com o culto ao Sol. Representa a luz, a claridade. Aparece nas moedas com os mesmos atributos do deus Sol.

*Clementia (serenidade, suavidade, clemência)
Deusa, representada por uma mulher, bela, segurando uma rama numa das mãos e um
ceptro na outra. Representava a piedade sobre os inimigos vencidos. No final do império romano, a figura feminina é substituída por duas figuras viris que seguram um globo (orbe).

Cobre
Metal avermelhado, muito maleável e dúctil.

*Concordia (grego - Homonoia)
Deusa geralmente representada por uma mulher de pé, com uma rama de louro e uma cornucópia, sendo uma das presenças mais comuns na numária romana. Seus atributos são também a rama de oliveira e cetro, cegonha, entre outros. Personifica o acordo, a concordância, a harmonia.

*Consul
Eram os maiores cargos do governo de Roma, eleitos anualmente no período republicano, sendo responsáveis pela feitura e votação das leis. No período imperial, após a queda da República, eram os imperadores que ostentavam o título de consul, bem como seus descendentes.

Conto de Contar
Os contos de contar são peças em metal com o formato de moedas.
Durante a Idade Média e até aos sécs. XV/XVI sensivelmente, a numeração usada era a romana e os sistemas monetários eram um bocado complicados (quase todos duodecimais), os contos serviam para ajudar os mercadores e comerciantes a fazerem contas. Em Portugal há muitos do séc. XIII até ao séc. XVI.

Contrafacção
Imitação fraudulenta, falsificação.

*Contramarca
Mesmo que carimbo, expediente que era usado para revalidar as moedas, podendo aumentar ou diminuir seu valor, bem como para nacionalizar uma peça estrangeira, autorizando sua circulação em determinado Estado.

*Cornucópia
Deriva do latim "cornu copiae", seria o chifre da cabra com cujo leite a ninfa Amaltéia alimentou Júpiter quando o mesmo era criança, escondendo-o de seu pai, Saturno, que queria devorá-lo. Júpiter teria quebrado o chifre da cabra, dando-o a Amaltéia, dizendo-lhe que de dentro daquele chifre sairiam frutos de acordo com a vontade dela. Representa a Abundância. Aparece muito nas cunhagens romanas, carregada principalmente por Abundantia e Fortuna, e também por Cibelle e Ceres.

*Coroa
Denominação popular que se dava as antigas peças grandes de prata, com cerca de 25,00 gramas ou pouco mais. Em Portugal a denominação "coroa" se aplicaria à moeda de 1000 réis de prata da monarquia, ou aos escudos de prata com o peso mencionado.

*Coroa Mural.

Coroa que adorna a cabeça das divindades protetoras das cidades, que são gravadas nas moedas. É uma "coroa de muros".

*Coroa radiada
Coroa que era utilizada pelo próprio deus Sol, emitindo raios luminosos. Era utilizada inicialmente nas cunhagens Ptolomaicas, sendo adotada pelos romanos. Nero foi o primeiro imperador romano a ostentá-la em cunhagens, expediente depois largamente utilizado por outros imperadores logo após, servindo para identificar os dupôndios, e mais tarde os antoninianos, já que essas moedas exibiam as cabeças dos imperadores sempre com a coroa radiada.

*Coroa rostral
Era a coroa adornada por proa e popa de barco.

*Coroa Spicea
Coroa decorada com cereais, atributo de Ceres.

*Cospel
Disco monetário "virgem", pronto para receber a cunhagem da moeda. Obtido por fundição e laminação, observando pesos e medidas, bem como a lei do metal. Do latim "scuipere"

*Cristograma
Um monograma com as duas primeiras letras do nome de Cristo em grego: X e P. A juntaposição dessas duas letras tem o aspecto de um "P" com o traço colunar "cruzado" pelo "X". É o símbolo do cristianismo. Começa a surgir nas cunhagens a partir do ano de 313 DC, após o édito de Milão.

*Cruz Patriarcal
Tem origem em Bizancio. Uma cruz com dois traços horizontais, sendo que o inferior será o mais largo.

*Cruz Potentada
Amplamente usada nas cunhagens bizantinas, é uma cruz que tem um traço ao final de cada "braço".

Cruzado
A origem desta moeda portuguesa está na queda de Constantinopla, em 1453, quando os Turcos ocuparam a igreja de Santa Sofia e ameaçaram ocupar a Europa. O Papa Calisto III pregou uma cruzada contra os Turcos, a que respondeu D. Afonso V, prometendo enviar 12.000 homens pagos à sua custa, durante um ano. O Rei português mandou em memória desta empresa, como nos recorda Mariz, na sua Historia, lavrar nova moeda d’ouro que lhe vinha da mina da Costa da Guiné, que o Infante D. Henrique seu tio descobriu e negociara; e pôs-lhe nome Cruzados, que foram os primeiros neste Reyno e do mais fino ouro sobido em toda perfeição, mais que todos os ducados da christandade: pera que por terras tao apartadas, que elle havia de passar nesta empreza, estimassem muito a sua moeda, o que dantes não fazia.
O cruzado de prata distingue-se como uma das mais belas moedas portuguesas, quer pelos cunhos quer pelas dimensões. As faces mostram no anverso, as armas reais e, no reverso a cruz de Cristo com a legenda adoptada já desde o tempo de D. João III: IN HOC SIGNO VINCES (com este sinal vencerás!).

Cunhagem
Operação de cunhar moeda.

Cunhar
Imprimir o cunho em; amoedar.

Cunho
Peça de ferro gravada utilizada para marcar, por pressão, as moedas, medalhas, etc.; figura que resulta dessa impressão e que consta no reverso da moeda ou medalha.

*Cupido - Deus do amor (grego - Eros)
Filho de Vênus, protetor dos enamorados, deus do amor. É representado como um menino com asas, podendo portar um arco e flecha.

Cuproníquel
Liga moderna, muito dura, de cobre e níquel, resistente ao desgaste e à corrosão.

D

*Dacia
Personificação da província romana da Dacia, representada na numária por uma mulher em pé, portando um cetro com uma cabeça de cavalo, ou talvez um "cornix", antigo instrumento musical daqueles povos do norte dos balcãs.

*Dala
Denominação do "dólar" de prata emitido pelo então reino do Hawaí, sob Kalakaua I, equivalendo a um dólar americano. Foram cunhadas em 1883.

*"Damnatio Memoriae"
"Danação da memória", ou condenação ao esquecimento, onde o condenado, já morto, era apagado dos registros oficiais, tinha suas estátuas destruídas, e as moedas com seu busto fundidas. Sofreram a "damnatio", por exemplo, Calígula, e tambem Geta, por ordem de seu irmão e assassino, Caracalla.

Denário
Antiga moeda romana que serviu de união monetária do vasto Império Romano e que os Bárbaros mantiveram em espécimes profundamente adulterados, depois da queda de Roma.

*Denier
Nome francês para a velha unidade romana denominada "denário". Essa pequena e fina moeda, geralmente de prata baixa ou bolhão, evoluíu durante o reinado de Luis VI, "o Gordo", entre 1108 e 1137, conhecida na época também como "parisis", ou "denier de Paris". Logo o tipo ultrapassa as fronteiras da cidade e começa a ser adotado em toda a França. Após, outros países também vão adotando esse padrão "denier", como Hungria, Espanha, Itália e Portugal (os dinheiros) por exemplo.

*Diana - Deusa da Fertilidade (grego - Artemis)

Filha de Jupter e Latona, deusa da fertilidade, dos bosques e das casas. Irmã gêmea de Apolo. Tem como atributo o arco e flecha e a meia lua. Aparece as vezes nas cunhagens representada por uma mulher portando arco e acompanhada de algum animal, como o veado, por exemplo.

*Dicken
Moeda de prata introduzida na Suíça, em 1482. Alguns outros Cantões suiços e Estados alemães adotaram o padrão, que teve uma vida curta. O nome deriva da palavra "thick", ou grosso, já que ela pasaria cerca de 9.4 a 9.9 gramas, algo incomum para as moedas da época, onde havia grande escassês de metal precioso. Valia 20 Kreuzers.

*Dikaiosyne
V. Aequitas.

*Dinar
Moeda medieval de ouro islâmica, também conhecida como "morabitino" de ouro, que teve uma enorme importâcia comercial na época. Na reforma monetária de fins do séc. VII, o califa Omíada (Omayyad) Abd Al Malik proibiu a utilização de figuras humanas nas cunhagens muçulmanas, por entender que haveria ofensa ao teor do Alcorão. Daí as frases que passaram a ser vistas nessas moedas eram "ALLÁ É GRANDE" e "MAOMÉ É SEU PROFETA". O nome "dinar" também é uma corruptela do velho nome romano "denarius". Com a expansão árabe, a moeda tornou-se a mais forte e valorizada durante o período medieval, visto a pobreza de metal precioso no comércio europeu, e a excelente liga que tinha o dinar. Atualmente essa denominação é adotada para designar moeda corrente de alguns países árabes, como a Tunísia, por exemplo.

Dinastia
Série de soberanos pertencentes ao mesmo tronco; série de homens ilustres da mesma família.

Dinheiro
Moeda corrente; qualquer espécie de numerário.
Antiga moeda portuguesa (uma das primeiras) de bolhão, uma liga de cobre e de prata; era uma fracção do soldo, a qual D. Manuel I fez extinguir estabelecendo o real como unidade da moeda. Antes de D. Afonso IV, 12 dinheiros valiam um soldo e ele dispôs que 9 o valessem.
Desde o reinado de D. Afonso Henriques e mais contritamente de D. Sancho I até ao reinado de D. Manuel I, esta moeda teve diferentes valores e tipos. Inicialmente foi uma unidade monetária. Doze dinheiros valiam um soldo e vinte soldos valiam uma libra. Com D. Duarte um dinheiro valia tanto como um preto, isto é, um décimo do real. Três dinheiros valiam um ceitil. A fim de extinguir a confusão que se gerou, o Rei D. Manuel I acabou com esta moeda, propondo que o nome dinheiro se mudasse para ceitil.

*Dioscuros/irmãos (grego - Dioskouroy)
São os irmãos Castor e Polux, filhos de Zeus e da mortal Leda. Eram os herois de Esparta. Aparecem representados nas cunhagens romanas como dois cavaleiros montados e de lança em riste, tendo sobre as cabeças de cada um uma estrela. Nas cunhagens gregas costumam aparecer como duas cabeças lado a lado e invertidas entre si.

*Dirhen
Moeda islâmica medieval de prata. Na reforma monetária do fim do séc. VII, o califa Omíada (Omayyad) Abd Al Malik inspirou-se no antigo padrão persa dos dracmas de prata do império sassanida. Tal como os dinares de ouro, ante a proibição da utilização de figuras humanas na numária islâmica medieval, o que se encontra gravado nessas peças são as frases: "ALLÁ É GRANDE" e "MAOMÉ É SEU PROFETA".
Também foi uma moeda de enorme aceitação em todo o mundo medieval de então, devido à sua boa liga de prata e uniformidade de peso. São achadas desde o território do atual Portugal até o da antiga Bactria no Afeganistão, além de encontradas em antigos tesouros vikings, o que dá uma idéia do poder comercial desse numerário, difundido em parte devido à expansão árabe.

*Divisor
São as frações da moeda principal num determinado sistema monetário, como os centavos, por exemplo, que dividiam o escudo.

*Dobla
"Dobra", em português. Antiga moeda de ouro emitida pelos reinos unidos de Castela e Leon, primeiramente sob Alfonso XII (1312/1350). Trazia no reverso as armas de Castela (o castelo) e de Lion (o leão). Os sucessores de Alfonso o cunharam também com outros tipos.

Dobrão
Nome dado às grandes moedas de ouro, mandadas lavrar por D. João IV, com o peso de uma onça: augmentativo de dobra.
A dobra de oito escudos, cuhada em virtude da lei de 4 de Abril de 1722 chamava-se já, na lei de 29 de Novembro de 1732, dobrão: “considerado que sem embargo das repetidas leis e providencias, com que em diferentes tempos se tem procurado evitar o cérceo e mais vícios da moeda, continuam no tempo presente com maior excesso, principalmente nos dobrões de 12:800...”.


E

ECU
Unidade de Conta Europeia: nos termos do Regulamento do Conselho (CE) N.º 3320/94, de 20 de Dezembro de 1994, o ECU foi um cabaz composto pela soma de montantes fixos de 12 das 15 moedas dos Estados-membros. O valor do ECU calculava-se como uma média ponderada do valor das moedas que o compunham. Enquanto ECU oficial desempenhou, entre outras funções, a de numerário do MTC e de activo de reserva dos bancos centrais. Os ECU oficiais foram criados pelo IME através de operações de swap a três meses contra um quinto dos activos em dólares e ouro detidos pelos 15 bancos centrais nacionais da UE. Os ECU privados eram instrumentos financeiros denominados em ECU (por exemplo, depósitos bancários ou títulos) baseados em contratos que, regra geral, faziam referência ao ECU oficial. O valor "teórico" do ECU privado definia-se com base no valor das componentes individuais do cabaz do ECU. No entanto, a circulação do ECU privado era diferente da do ECU oficial e, na prática, o valor de mercado do ECU privado podia divergir do valor "teórico" do cabaz. No seguimento do artigo 2.º do Regulamento (CE) do Conselho N.º 1103/97 de 17 de Junho de 1997 relativo a algumas disposições relacionadas com a introdução do euro, o ECU privado foi substituído pelo euro à taxa de 1 por 1. O ECU oficial deixou de existir com o termo do mecanismo de swap no início da Terceira Fase da UEM.

Efígie
Representação, figura ou imagem de pessoa importante: cara de um rei ou de uma pessoa notável cunhada no reverso de uma moeda ou medalha.

*Eirene

V. Pax.

Eixo
Linha recta, real ou imaginária, em torno da qual um corpo efectua ou pode efectuar movimento de rotação.

Eixo horizontal
Considera-se que uma moeda tem eixo horizontal quando, ao rodarmos a moeda, esta apresenta a outra face invertida em relação à que primeiro foi visualizada.
Actualmente só são cunhadas moedas de eixo horizontal, contudo surgem por vezes moedas de eixo vertical, normalmente por deficiências de cunhagem, o que as torna rapidamente valorizadas, por se tratarem de moedas muito raras e com uma procura muito elevada.

Eixo vertical
Considera-se que uma moeda tem eixo vertical quando, ao rodarmos a moeda, esta apresenta a outra face na mesma posição relativamente à que foi visualizada em primeiro lugar.

Electro
Liga de ouro ou prata, chamada também de "ouro branco", muito utilizada na cunhagem grega clássica. Em Roma não houve utilização dessa liga, que foi utilizada novamente só no período bizantino.

Ensaio monetário
Provas de moedas antes de prova final.

*Erro de cunhagem
Erros que ocorrem no processo de fabricação das moedas, que podem se dar tanto na cunhagem mecánica quanto na cunhagem manual. Assim, alguns exemplares saem diferenciados da cunhagem geral devido a defeitos imprevistos que apresentam. Muitas vezes determinados tipos de erros acabam por valorizar as peças, tornando-as escassas em relação às normais.

Escudo
Antiga unidade monetária portuguesa. O Escudo português, cujo símbolo é o cifrão ($) foi a última moeda de Portugal antes do Euro. O escudo deu origem a outras variações de Escudo nas dependências africanas.

Euro
Designação da moeda europeia adoptada pelo Conselho Europeu, na reunião de Madrid de 15 e 16 de Dezembro de 1995. Será o nome usado em substituição do termo genérico ECU utilizado no Tratado.

*Eusebia
V. Pietas.

*Euthenia
V. Abundantia

Exergo
Espaço de uma moeda ou medalha em que se grava uma inscrição, data, letra monetária, etc. Normalmente o enxergo situa-se na parte inferior do campo.

F

*Fascis
Série de pequenos feixes que eram atados a um feixe principal bem maior, representando a unidade de todos em torno do poder do Estado. Evocava autoridade, e era conduzidos em Roma pelos lictores.

*Felicitas
Deusa da felicidade e bem estar, uma das mais abundantes na numária romana. Seus atributos são o caduceu e a cornucopia, ou então a patera e o ramo.

Ferro
Metal dúctil e maleável, muito abundante na natureza e de numerosas aplicações.

FDC - Flor de Cunho
Moeda imaculada, conservando todo o brilho, sem vestígios de circulação, sem “patina” ou manchas, e isenta de riscos ou mossas quando vista à lupa.

*Fides
É a deusa da lealdade e da fidelidade. Quando representada por uma mulher lanças e espigas, é a personificação de Fides Publicae, ou confiança na coisa pública. Quando a mulher está entre dois estandartes militares, é a personificação Fides Militum, a confiança militar.

Fiduciária
Sem valor real mas com sua representação (exemplo: feito de ferro).

*Flulmen
Raio, atributo relativo a Júpiter, que é geralmente representado segurando um raio.

Folheada
Metal fraco revestido de outro nobre (V. Moeda forrada).

*Fortuna (grego - Tyche)
É a deusa da sorte e da fortuna, representa o destino. Tem como atributos a cornucópia, e as vezes também um velho "timão" (leme) de navio.

G

*Gália
na numária romana é a representação feminina da província da Gália, personificada por uma cabeça de mulher que tinha junto um escudo redondo.

*Genius

Figura masculina que porta patera e cornucopia, tendo à cabeça um modius. Era o deus protetor dos homens, mulheres e famílias individualmente considerados.

*Gens
Família, grupo familiar ou linhagem comum a determinado grupo.

*Germania
Personificação da província romana da germánia, era representada por uma mulher sentada e suplicante.

*Globus Cruciger
Mesmo que Orbe (v. Orbe)

*Gorro Frígio
Mesmo que Pileus (v. Pileus)

Grave
Moeda de prata do reinado de D. Fernando I.
O rei mandou cunhar esta moeda para distinguir os porta-bandeiras, no anverso da qual imprimiu um F significando Fernando e, no reverso, as armas do rei.

*Grifon
Figura mitológica que seria protetor do tesouro de Apolo. Trata-se de um ser de corpo de leão e asas e bico de águia.

*Groschen


H

*Hércules (grego - Herakles)

Herói mitológico, famoso pelos 12 trabalhos a que foi condenado pelo oráculo de Delfos. Era filho de Zeus e da mortal Alcmena. Representava a força e a perseverança. Seus atributos são a pele de leão da Nemeia, que pode portar no braço "dobrada" ou vestir, e a clava (maça). É representado na numária como um homem nu e forte, trazendo a pele de leão e a clava. Alexandre o grande era representado como Hércules nos seus tetradracmas, e assim seu busto aparecia coberto com a cabeça (pele) do leão da Nemeia. Comodus também tem cunhagens nesse mesmo tipo, como imperador deificado em Hércules.

Híbrida
Erro de cunhagem; há aí uma combinação de duas moedas distintas, que não poderia haver numa cuhagem normal. Ex: Moeda com verso de determinado soberano e reverso com o nome de outro.

*Hilaritas
Deusa romana da alegria, hilariedade, júbilo. Seus atributos são a palma e a cornucopia. As vezes pode ser representada como uma mulher acompanhada de crianças.

*Hispania
Nas cunhagens romanas, Hispánia era a representação das províncias romanas localizadas na Península Ibérica (nas terras que hoje correspondem a Espanha e Portugal) O nome Espanha deriva dessa representação. Trata-se de uma mulher sentada, estendendo um ramo de oliveira.


*Homonoia

V. Concordia.

I

*Imitação Bárbara
Moedas cunhadas pelos povos bárbaros ou fronteiriços que imitavam as moedas romanas, eram via de regra toscas. Embora não oficiais, muitas vezes eram toleradas pelo Império, visto a necessidade de numerário em certas regiões distantes.

*Imitações Ibéricas
Moedas cunhadas pelos povos ibéricos, que tal como as bárbaras, imitavam as moedas romanas oficiais. Em Hispania foram feitas em 3 períodos bem distintos: No séc. I A.C, copiando-se semisses republicanos. No séc. I D.C., imitando-se as moedas de Claudius e no séc. III D.C, que eram as pequenas imitações de antoninianos do imperador Claudio Gótico.


Incusa
Trata-se de um erro de cunhagem. Devido à uma falha no processo, o desenho de um lado da moeda acaba aparecendo no outro lado, de uma forma invertida, tal como num espelho. Apresenta, por exemplo, a imagem negativa do verso no reverso.

*Indulgentia
Representação do perdão referente às penalidades impostas pelo Estado ou imperador, e também dos impostos. Era representada por uma mulher que tinha como atributos a coroa mural, ou também um cetro e a mão extendida em forma de auxílio.

*Iudaea
Representação feminina da província romana da Judeia. Trata-se de uma mulher sentada, as vezes com as costas apoiadas numa palmeira. Traz geralmente a inscrição "IVDAEA CAPTA", ou judeia conquistada.


*Iustitia

Deusa romana que personificava a justiça. Tinha como atributos o ramo de oliveira, a patera e o cetro.

*Iuventas

Alegoria feminina que representava a juventude. Porta patera, e incensa um altar tripode (de três pés).

J

*Juno/Iuno (grego - Hera)

Filha de Saturno e Gea, irmã e esposa de Jupter, era a rainha dos deuses. Deusa da castidade e também da saúde. Seus atributos são a patera e o cetro. Nas cunhagens pode aparecer sentada ou em pé, cabeça velada, portando patera e cetro, as vezes acompanhada de uma criança, uma serpente ou de um pavão.

*Juno Lucina
Face da deusa que abençoava e protegia os nascimentos.

*Juno Moneta
Era a face da Deusa Juno como assessora e conselheira, tinha um templo ao lado da casa da moeda, daí seu nome dar origem à MOEDA.

*Juno Sospita

Face protetora e libertadora da deusa, nas cunhagens aparecia vestida com uma pele de cabra (da cabra Amaltea)

*Jupter - Deus dos deuses (grego - Zeus)
É a principal divindade romana. Filho de Saturno e Gea, irmão de Netuno e Plutão. É o rei dos deuses e dos homens, reina no céu e é o deus da luz. Seus atributos são o raio e o cetro. Na numária é representado geralmente por um homem de barbas, desnudo e portando um raio (flulmen). Também pode ser representado sentado em um trono, portando uma águia ou Vitória na mão e um cetro na outra. Aparece ainda nas cunhagens como uma criança montada numa cabra (cabra Amaltea).

L

*Labarum/Lábaro
Insignia militar romana, usada como símbolo do poder imperial. Constantino fez com que acima do lábaro fosse colocado o Cristograma. Exemplo de utilização nas cunhagens romanas é a série "gloria exercitvs".

*Laetitia
Personificação feminina que representa a alegria e o regozijo. Presença frequente na cunhagem romana. Seus atributos são a guirlanda, palma e cetro.

*Lança
O uso da lança em numismática serve para representar o exército. Imperadores romanos são frequentemente representados nas cunhagens portando lanças, em pé ou montados, as vezes acertando inimigos, ou as ostentam em posição de guarda. A lança invertida (ponta virada para baixo) representa período de paz, ou que o imperador quer a paz.

*Laurel/Láureas
É o mais antigo dos ornamentos romanos, a coroa de folhas de laurel. Esse ornamento representa a vitória.

*Leão da Nemeia
Criatura mitológica, um anorme leão que foi morto pelo deus Hércules na realização de seu primeiro trabalho (eram doze). Sua pele é atributo do deus Hércules, aparecendo a ele associada em várias cunhagens clássicas. (V. Hercules)

*Lei
Representa o grau de pureza de um metal nome presente numa amoedação (ouro, prata ou platina). É medida em quilates (ex: 22k, 24K), percentagem (ex: 83,5%, 90%) ou milésimas (ex: 0,835, 0,900). Em suma: É a quantidade de metal precioso contida em determinada amoedação.

Legenda
Do latim, legenda é aquilo que se deve ler. Aparece normalmente numa linha circular paralela ao bordo.

*Liberalitas
Personificação da liberalidade e da tolerância romanas. Seus atributos são o ábaco e o cetro, sendo representada por uma mulher em pé que porta tais objetos.

*Libertas
A personificação da liberdade. Nas cunhagens romanas aparece como uma mulher em pé portando o gorro frígio (pileus) e um cetro.

*Libra
Medida ponderal que tem origem grega, tendo sido posteriormente adotada pelos romanos, e que serviu de base para o sistema monetário denominado de "libral".
É também o nome dado à unidade monetária até a presente data circulante no reino unido, a libra esterlina, que é dividida em 100 penny (Pence).

*Lictor
Funcionário público romano, que portava, a serviço dos magistrados, o fascio, abrindo passagem para aqueles por entre a multidão.

Listel
Nas moedas designa o ornamento entre o rebordo e o campo. Nos brasões de armas é a fita sotoposta ao escudo, onde em regra se encontra inscrita a designação ou lema.

*Lituus
Antigo instrumento pontificial romano, usado nos sacrifícios. É o cajado, ou báculo. Vara com a ponta curvada, utilizada também pelos sacerdotes que faziam presságios. Nas moedas romanas costuma vir acompanhado do Simpullum, e de um jarro.

*Luna (grego - Selene)

Deusa da luz lunar e artes mágicas. Aparece nas cunhagens como uma lua crescente.

Avatar do Utilizador
doliveirarod
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 14885
Registado: terça nov 09, 2004 2:50 am
Localização: Brasil

Mensagempor doliveirarod » domingo jan 31, 2010 4:01 am

CONTINUAÇÃO:


M

*Maniakion
Cobertura peitoral usada pelos imperadores bizantinos. Aparece em determinadas moedas bizantinas, notadamente dos Paleologos.

*Marcas de prova
São as moedas puncionadas ou cortadas para verificação da lei do metal precioso, visando a verificação de que eram maciças, e não forradas. Expediente algo comum em moedas gregas de prata, e também nas romanas, que apresentam muitas vezes as marcas de cambistas ou banqueiros, principalmente as peças do alto império e República, cunhadas em metal de boa liga.

Marcelinho
Moeda em alumínio, com o valor facial de 10 centavos (vulgo 1 tostão), introduzidos no tepo de Marcello Caetano (daí o nome “marcelinho”) O marcelinho foi a primeira moeda portuguesa a deixar de ter em metal o seu valor facial. Em 1970 foram cunhados novos “marcelinhos”, no entanto estas moedas não foram colocadas em circulação, ou então foram-no em quantidades muito reduzidas. Ao que parece, as cunhagens de 1969 e 1970 foram apenas experimentais, daí terem sido bastante reduzidas. Daqui resulta que as moedas de 10 centavos, destes dois anos, são muito difíceis de arranjar, sendo um dos alvos preferidos dos falsificadores e viciadores de peças numismáticas. A partir de 1971, os “marcelinhos” foram cunhados todos os anos (até 1979) e em grandes quantidades, pelo que são moedas muito fáceis de arranjar.

*Marte - deus da guerra (grego - Ares)

Filho de Jupter e Juno, protetor do povo romano (uma das principais divindades) e pai dos fundadores Rômulo e Remo. Seus atributos são a lança e o escudo, mas pode aparecer também com um ramo numa mão estendida, quando oferece paz.

*Mauritânia
Nas cunhagens romanas, tratava-se da representação das províncias que hoje correspondem a parte do território de Marrocos e Argélia. Era um homem em pé portando uma lança. Não aparece com muita frequência.

*Medusa
Era uma das irmãs Górgonas (que tinham no lugar de cabelos serpentes). Tranformava quem a olhasse em pedra. As górgonas são figuras comuns nas cunhagens gregas clássicas.

*Mercúrio - deus do comércio (grego - Hermes)
Filho de Jupter e da ninfa Maya, protetor dos comerciantes e da eloquência, era também o mensageiro dos deuses. Tem como atributos o petaso (espécie de capacete raso e alado), o caduceo e uma bolsa.

MBC - Muito bem conservada
Moeda pouco circulada . Superfícies mais elevadas da gravura com sinais de desgaste , pode
apresentar pequenas mossas no rebordo.

MC - Mal Conservada
Moeda muitíssimo gasta ou corroída, com obliterações nas suas legendas e datas que a tornam bastante ilegível, todavia não dando lugar a grandes dúvidas na sua identificação.

Mealha
Meio Dinheiro; duas mealhas valiam um ceitil. Não era moeda cunhada de per si, mas metade dum dinheiro partido com faca, tesoura ou outro instrumento. Por ser metade do dinheiro se disse mealha. E de mealha se disse mealheiro.

Mealheiro
Espécie de cofre com uma fenda, por onde se introduz o dinheiro que se pretende juntar.

Medalhas cunhadas
As medalhas são objectos análogos às moedas, mas sem valor facial nem autorização legal de circulação.

Medalhas estampadas
As medalhas estampadas são objectos obtidos a quente ou a frio, nas prensas de estampar, a partir de discos. Após corte, sofrem um acabamento superficial de patine química ou galvânica e um envernizamento final, antes da embalagem.

*Metrologia
Ciência que estuda os pesos e medidas. Muito útil nos estudo de numismática.

*Minerva - Deusa Roma (grego - Palas ou Athena)

Filha de Jupter, nascida já adulta diretamente do cérebro do deus, era uma das principais deusas, governando junto com seu pai e Juno (a tríade do Capitólio). Era a deusa da sabedoria, da razão e também da guerra. Fartamente representada na numária grega e romana. Seus atributos são a lança, o elmo coríntio (Athena), o elmo alado (Minerva) e o escudo. Aparece em pé ou sentada, as vezes portando a Vitória ou um ramo de oliveira.


Módulo
É o diâmetro da moeda, expressado via de regra em mm.

*Modius
Medida de peso romana que equivalia a 8,75KG, era usada geralmente para cereais (cevada e trigo). A medida era feita numa espécie de pote de determinado volume, que era apoiado num tripé. Esse instrumento aparece com alguma frequência nas moedas romanas, especialmente junto à deusa Anonna.

Moeda
Peça metálica (geralmente circular), emitida por autoridade soberana, representativa de um valor pecuniário, utilizada como instrumento de troca.

*Moeda de Consagração
Peças muito cunhadas no império romano, Serviam para comemorar a consagração/deificação (Consecratio) de determinado imperador ou seu parente. Emissões póstumas, possuem geralmente as inscrições "Diva" ou "Divo"

*Moeda de emergência
Moedas cunhadas em períodos de escassês de metal nobre, devido à crises ou guerras. Durante tais períodos não era incomum a emissão de moedas forradas ("fourré") ou de liga inferior à oficial.

*Moeda de chumbo
Na península Ibérica, Norte da África e Gálias, entre os sécs. II AC a I DC, cunharam-se moedas de chumbo iguais as emissões que haviam em cobre.


*Moeda escifulada
Trata-se da denominação das moedas bizantinas criadas com a reforma instituída por Aleixo I (1092), onde foi criado o "trachy" ou "aspron trachy". Essas moedas têm a característica de serem concavo-convexas, ou escifuladas. São também chamadas de "moedas copo".

*Moeda falsa
Primeiramente, temos a moeda cuja feitura não foi autorizada pelo Estado emissor. O falsário "cópia" emissões oficiais já existentes de determinado país, jogando essas moedas forjadas em circulação. As de metais preciosos geralmente terão peso ou liga bem mais baixos.
Outro tipo de falsificação seria quando um falsário "cria" uma moeda inexistente, e a joga no mercado, sendo essa evidentemente muito rara de acontecer.
Em numismática existem as falsificações de espécimes para coleções. O falsário imita ou cria moedas antigas, na intenção de passá-las por verdadeiras e obter benefícios financeiros.
Os modos de falsificação são diversos, como a fundição e a reprodução dos cunhos, por exemplo. As falsificações de época possuem um valor relativo numismaticamente falando, já as falsificações de moedas antigas feitas no intuito de enganar colecionadores não possuem interesse numismático, sendo meras fraudes.

*Moeda fiduciária
A moeda que possuia valor inferior ao seu peso intrínseco. Valia pela confiança depositada no Estado que a emitia.

*Moeda forrada
Emissões da antiguidade em "metais nobres", que na verdade eram apenas banhadas, possuindo o núcleo de cobre. São as moedas "fourré", que talvez fossem emitidas em Roma e na Grécia por motivos de emergência, havendo quem diga que em Roma elas eram feitas para pagas os mercenários bárbaros, já que em tese iriam circular fora das fronteiras do império. Alguns estudiosos defendem que seriam falsificações de época, o que seria pouco provável, visto a grande fineza da cunhagem das mesmas, iguais em qualidade às moedas originais. Devido à quantidade das moedas forradas que circulavam na antiguidade, surgiu entre cambistas e banqueiros o expediente do puncionamento e corte das mesmas para verificação.

*Moeda Legionária
A que era cunhada por generais romanos em campanha militar. Exemplo são os denários de Marco António cunhados no Egito durante as guerras deste com Augusto.

*Moeda obsidional
Moedas cunhadas em períodos de guerra ou cerco, que tinham validade até que cessassem as circustâncias que autorizaram sua cunhagem. Após, deveriam ser resgatadas pelo emissor. Exemplo são as moedas obsidionais holandesas cunhadas no Brasil, em que havia estado de sítio do exército holandês.

*Moeda partida
Nos tempos antigos eram comuns moedas que circulavam tão somente pelo peso que representavam em metal precioso, daí que acabavam cortadas ao meio ou em frações, para pagamentos miúdos ou trocos. Exemplos são os "cortadillos" hispano-árabes, ou as mealhas portuguesas.

*Moeda recunhada
Ocorre quando uma "moeda base" é reaproveitada como "disco" para a cunhagem de outra. Um exemplo são os patacões do Brasil (960 réis), que eram cunhados sobre moedas hispano-americanas de 8 reales.


Moedagem
Arte de fabricar moeda.

*Moesia
Representação da província da Moésia, que corresponde hoje aos territórios da Bulgária e Sérvia.

Monograma
Letras entrelaçadas que formam como que uma só.


N

*Nemesis
Representava a justiça, era encarregada de vingar crimes e injustiças. Seus atributos são o caduceo com serpentes e uma pequena bolsa. Não aparece muito representada na numária, sendo um pouco mais comum nas cunhagens coloniais romanas.

*Netuno - deus dos mares (grego - Poseidon)

Era filho de Rhea e de Saturno. Era o deus dos mares, e era conduzido por uma quadriga dourada com cavalos brancos. Seus atributos são o tridente, o golfinho e o cavalo marinho. Aparece na numaria como um homem barbudo que porta tridente, as vezes acompanhado de golfinho ou cavalo marinho.

*Nilo
Na numária romana era a representação do rio Nilo, sagrado para os egipcios. Era personificado na figura de um homem barbado sentado.

*Nobilitas
deusa romana que representava a nobreza. Seus atributos eram o paladium e o cetro.

Numismata
Estudioso ou coleccionador de moedas e medalhas.

Numismática
Numismática (do grego clássico νόμισμα - nomisma, através do latim numisma, moeda) é a ciência auxiliar da história que tem por objetivo o estudo das moedas e das medalhas.
Por numismática entende-se o estudo essencialmente científico das moedas e medalhas, porém na atualidade o termo “numismático” vem sendo empregado como sinônimo ao colecionismo de moedas, incluindo também o estudo dos objetos "monetiformes", ou seja, assemelhados às moedas, como por exemplo as medalhas (que têm função essencialmente comemorativa), os jetons (geralmente emitidos por corporações para identificar seus membros), moedas particulares (destinadas a circular em círculos restritos, como uma fazenda ou localidade) ou ainda os pesos monetários (que serviam para conferir os pesos das moedas em circulação).

O

*Oriens
Na numária romana representava as províncias conquistadas da Armênia e Mesopotâmia. "Oriens" era o nome dado ao deus Sol quando amanhecendo (Nascente). Visto que essas províncias eram as mais a leste do império romano (posição do sol ao nascer) foram assim também batizadas. Era Oriens representada por uma mulher que portava coroa radiada e orbe (globo).

Orla
A extremidade da “página” da moeda; parte da moeda que contorna os motivos e que geralmente traz a inscrição que determina a origem, nomes, especificidades do país, comemorações, etc.

P

Pataco
Pesada moeda de 40 reis, tão pesada que chegava a ser utilizada como arma de arremesso.
Desde a sua criação em 1811 que o Pataco serviu a utilidade pública para livrar de apuros financeiros a governação do país.
Durante o Cerco do Porto pelas tropas miguelistas, os liberais deitaram mão de novo deste expediente para resolver os seus grandes embaraços financeiros e mandam emitir os conhecidos patacos dos Lóios. Foi montada uma casa da moeda no extinto Convento de Santo Elói, situado no largo portuense denominado Lóios, onde se cunharam além destes patacos outros valores de reduzida emissão como os V reis, os X e os 20 reis ou Ducal.

Página
As duas superfícies maiores das moedas e medalhas (faces).

*Pannonia

Na numária romana eram as representações das províncias da Alta (terras hoje da Áustria e Hungria) e Baixa (terras hoje da Bósnia, Albânia e Sérvia) Pannonia. Personificadas por duas figuras femininas em pé, portando um grande cetro.

Pátina
Pátina é um composto químico que se forma na superfície de um metal. Ela forma-se naturalmente, pela exposição aos elementos e ao clima, ou artificialmente.

*Pax (grego - Eirene)

É a deusa que representa a paz, é uma das presenças mais constantes na numária romana, tanto do alto quanto do baixo império. A deusa aparece geralmente como uma mulher alada, e tem diversos atributos, tais como os ramos de oliveira, espigas, cetro e caduceu, sendo o mais comum os ramos de oliveira.

*Pégaso
Filho de Poseidon e da Medusa, trata-se de um cavalo alado, que é assim representado na numária clássica.

*Pietas (grego - Eusebia)
Figura feminina que aparece na numária clássica geralmente fazendo sacrifícios em altar, tendo a cabeça velada. Representa a piedade.

Pinto ou Cruzado Novo
Moeda de ouro, de toque 916,6 ‰ e 1,1g de peso, na valia de 480 réis (cruzado novo). Foram instituídos pelo Decreto de 29OUT1718 e lavraram-se entre esta data e 1821, principalmente em Lisboa, mas também no Rio de Janeiro e em Minas Gerais.

*Priapo

Aparece em poucas amoedações, como um homem nu, com um enorme pênis ereto. É o deus dos jardins, da fecundidade e das vidimas. Tem origem grega. Pode aparecer também como um busto algo horrendo e barbado, de perfil. Os romanos o tinham como deus da virilidade física.

PROOF
Prova Numismática. Moeda com cunhagem especial, sobre disco metálico especialmente preparados e com recurso a cunho polido e foscado, onde se conjugam diferentes brilhos para destacar as suas gravuras e legendas, não se destinando a circulação.

Prova
É a moeda cunhada para aprovação do Conselho Monetário.

*Providentia
Era a deusa romana da providência divina, a intervenção dos deuses nos problemas humanos. seus atributos eram a vara, o cetro, e por vezes a cornucopia (menos comum.). Figura muito presente na numária do império.

*Pudicitia
Representação da castidade e do pudor femininos. Representada por figura feminina que tinha como atributos o véu e o cetro. Muito presente nas cunhagens referentes às imperatrizes de Roma.

R

Real
Antiga unidade monetária.

Rebordo
Limite extremo da orla, é ligeiramente mais alto que as figuras e legendas, para impedir o seu desgaste rápido; saliência do bordo em cada face.

REG – Regular
Moeda com bastante desgaste no desenho legenda e data , apresentando porém visíveis as características principais de classificação.

Reverso
Face ou lado de uma moeda ou medalha oposto ao principal (anverso); parte posterior da moeda.
Representa o valor facial da moeda, ou seja, o seu valor fiduciário.
Normalmente, nesta face as moedas apresentam uma “coroa”, nome que se atribui na gíria popular, também designada por “cunho”.

*Roma
Presença muitíssimo constante na numária romana. Era a representação da capital do império, da grande Urbe. Ela se apresenta por meio de uma figura feminina de cabeça protegida por elmo, que aparece de modos variados, podendo estar sentada ou em pé, portar lança e escudo, a Vitória, etc... Pode também aparecer só o busto, como nas cunhagens republicanas de denários e semis, ou de corpo inteiro.

Roseta
Ornato de forma de flor estilizada com o sentido de separar palavras ou datas.

Rosto
Parte da moeda oposta ao reverso, ou seja o anverso.

S

Safada
Moeda gasta pelo uso.

*Salus (grego - Higieya)

Era a deusa da saúde, do higiene (daí a derivação óbvia dessas palavras). Filha de Esculápio e Minerva. Seus atributos são a serpente e a patera. Aparece na numária como uma mulher que porta uma serpente, e a alimenta com uma patera.

Serrilha
Denteado no bordo de uma moeda. Lavrado dentado na periferia das moedas, para não serem cerceadas.

Sigla
É um monograma com as iniciais do gravador, localizado no lado esquerdo da moeda, até meados de 1945. A partir desta data foi proibido por suspeita de ser símbolo do integralismo.

Sinal oculto
Sinal colocado na moeda para indicar o local da fabrica.

SOB - Soberba
Moeda que nunca circulou , mantendo o brilho ou baço provocados pela cunhagem , pode apresentar ligeiras marcas de abrasão por Ter estado em contacto com outras moedas durante o fabrico ou transporte.

*Sol - (grego - Helios)
Culto antiquíssimo, anterior mesmo aos gregos, de quem os romanos herdaram. Era um dos principais deuses, adorado por vários imperadores, como Nero, Aureliano, Elagabalo, entre outros. Representado por um jovem com uma coroa radiada. Seus atributos são a coroa radiada, o cetro e o orbe (globo). Pode aparecer em quadriga. Os dupôndios e antoninianos mostram os imperadores utilizando-se da coroa radiada, em clara referência ao deus.

Soldo
Mesmo antes da monarquia existiam frequentes menções de uma moeda, a que chamavam solidus, que depois disseram soldo. Entre nós os houve de ouro, prata e cobre. Dizem que os de ouro valiam 320, e os de prata 10 réis. Os de cobre duraram até el-rei D. João II, havendo-se os de ouro e prata extinguido antes. Valia cada um dos de cobre 10 ceitis e quatro quintos de ceitil, e vinte deles faziam uma libra de 36 réis.

*Spes
Representava a confiança e sobretudo a esperança. Figura que aparece com frequência na numária romana, representada por uma mulher em pé, com uma longa túnica, e sempre segurando a "saia" da túnica com uma mão (levemente levantada) e uma flor na outra.

T

Tostão
Um tostão equivalia a 100 reis na antiga numária portuguesa. É também o nome dado a uma sub-divisão do escudo português, neste caso um tostão era o equivalente a 10 centavos.

Toque
É a permilagem do metal de que se diz que a moeda é feita, por exemplo, uma moeda de prata com um toque de 500 0/00 significa que a moeda tem metade do seu peso em prata, metade em outros metais.

*Tranquilitas

Deusa que representa a tranquilidade e o sossego. Aparece na numária do alto e do baixo império. Representada geralmente por uma figura de mulher que apóia o cotovelo numa pequena coluna, portando um cetro na outra mão.


*Três Graças

Aglaia, Thalia e Euphrosina, eram as três filhas de Zeus com uma ninfa chamada Eurinome. Representam a beleza física, a graça e a fertilidade, bem como o refinamento. Aparecem nas moedas representadas por três juvens nuas, sempre juntas.

*Tyche
V. Fortuna

U

*Uniface
Moeda que apresenta cunhagem apenas em um lado. Há apenas o reverso, estando o verso "em branco".

V

Valor Intrínseco
É o valor do metal de que é feita a moeda. Se uma moeda é feita exclusivamente de prata e esta pesa 20 gramas, então o valor intrínseco será a cotação no mercado de 20 gramas de prata.

Valor Legal
É o valor dado por Lei, para que com ele circule.

*Venus - (grego - Afrodite)

Deusa dos prazeres, do amor, da beleza e sedução. Esposa de Vulcano. seus atributos são o cetro e a maçã. Nas cunhagens aparece como uma mulher desnuda.

Verdete
Película verde que se forma sobre as moedas de cobre ou bronze, principalmente por oxidação.

Verso
Parte posterior da moeda.

*Vesta - (grego - Hestia)

Era a representação da pureza, deusa da Terra, do fogo sagrado e da família. Possuia um templo em Roma onde as sacerdotisas (vestais) tinham que manter-se virgens, e zelar pelo fogo sagrado. Seus atributos são o cetro, a patera, o paladium e o simpulum.

Vintém
Moedinha de prata, do valôr de 20 réis de cobre; donde lhe veio o nome. Principiou em tempo de D. Affonso 5.º : tem de huma parte hum A. com a Corôa em cima, e a legenda : Ajutorium nostrum in nomine Domini; e da outra o Escudo Real com o nome do Rei na orla. D. João 4.º fez lavrar o meio vintem, que valia 10 réis.[/b]

*Virtus
Deus romano que representava a coragem, tendo como atributos a lança, capacete, escudo e espada. Aparece nas cunhagens como um homem nu, portando alguns de seus objetos.


Retirei este ficheiro da net , espero que vos seja util em algo ;)

Se alguem desejar deixar aqui mais alguma palavra que nao se encontre em cima pode sempre faze-lo :thumbs:

Com os melhores cumprimentos,
http://www.megaleiloes.com/leiloes.php? ... liveirarod ML - http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_14426169
"O colecionador é um homem mais feliz"
DIGA "NÃO" ÀS FALSIFICAÇÕES CHINESAS - Não colabore com mercado criminoso

Avatar do Utilizador
doliveirarod
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 14885
Registado: terça nov 09, 2004 2:50 am
Localização: Brasil

Mensagempor doliveirarod » domingo jan 31, 2010 4:07 am

* Todas as informações posteriores ao post original estão marcadas com um asterisco.

Contribuições são sempre bem vindas.


Ps: Tive que apagar os posts subsequentes para reorganizar o dicionário, pq não dava mais para acrescentar nada, havia mais de 6000 caracteres.
:green:
http://www.megaleiloes.com/leiloes.php? ... liveirarod ML - http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_14426169
"O colecionador é um homem mais feliz"
DIGA "NÃO" ÀS FALSIFICAÇÕES CHINESAS - Não colabore com mercado criminoso

Avatar do Utilizador
EUROESCUDO
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 5139
Registado: sábado mar 07, 2009 12:07 pm
Localização: Maia - Porto - Portugal
Contacto:

Mensagempor EUROESCUDO » domingo jan 31, 2010 11:20 am

Se não repito, faltam estes :green:

Excelente trabalho.! Muita informação :beer:

A

ANTONINIANO – Moeda de prata de baixo teor, instaurada por Caracalla com um peso de 5,45 g e distingue-se por o Imperador usar uma coroa radiada.

AUGUSTUS – (sagrado, religioso) – Octávio, quando reuniu nas suas mãos todos os seus poderes, quis fazer decretar pelo Senado um novo nome para si que representasse a soma de todos os poderes e fosse legado para si e para os seus sucessores, o sinónimo de Imperador.

AURELIANO – Moeda de cobre ou bronze, com uma percentagem de 5% em prata, equivalente a 5 denários de bronze. Peso 3,50 % g. Busto com coroa radiada.

AUREO – Moeda em ouro cunhada por Júlio César e durante o Império Romano. O seu peso teórico era de 8,15 g,

C

CAESAR – Nome originário da família Julia, usado pelos seus membros e pelos que foram por ela adoptados. Com a morte de CALIGULA esta família extingui-se, sendo substituída pela família CLAUDIA. Nas moedas era representada pelas legendas C., CAE., CAES, ou CAESAR.

CENSOR – Cargo publico, estabelecido no ano 442 a.C. para cooperar com o Cônsul em algumas funções.

CENTENIONALIS – Moeda de cobre da reforma de Constantino I.

CESAR – Sucessor ao Trono Imperial que recebeu este titulo desde Júlio César. Desde então figurou nas moedas do Império ate Graciano.

CONTORNIATO – Espécie de medalha, com diâmetro de 25 a 40 milímetros, geralmente fundida e raramente cunhada, embora por vezes tenham sido gravadas a mão.

D

DICTADOR (ditador) – Assim se chamava ao Cônsul que, por circunstancias especiais, reunia plenos poderes. A ditadura, durante algum tempo, chegou a ser perpetua com Júlio César (Dictator Perpétuo).

DIVUS (Deus, Divindade) – Titulo dado a um príncipe defunto e deificado. No entanto durante um tempo o Imperador ousou, ainda que excepcionalmente, atribuir a si mesmo o titulo de Deus.

DIVUS FILIUS (filho de Deus) – Termo que significa Filho Divino.

DOMINE NOSTER (Nosso Senhor)– Este titulo que estabelecia entre o Imperador e os seus súbditos a mesma relação que existia entre patrão e os seus escravos, não seria seguramente tolerado pelos romanos dos primeiros tempos do Império. Tendo sido recusado por Augusto, começara a ser timidamente usado por Aureliano e depois generalizado por todos os Imperadores que seguem a decadência do Império.

DRACMA – Moeda em prata de origem grega e posteriormente adoptada pelo Império Romano.

DUPONDIO – Moeda de cobre, parecida com o Asse, no entanto com um peso teórico do dobro, salvo nos casos em que se cunhava em oricalco, sendo então de peso muito aproximado ao Asse. Distinguia-se pela coroa radiada do Imperador.

E

ELECTRON – Mistura de ouro com prata, algumas vezes de ouro com cobre. Pouco se usou no Império Romano.

ESCULAPIO – Filho de Apolo e de Coronis. Simboliza a medicina.

F

FECUNDITAS (fecundidade, fertilidade) Deusa representada por uma mulher entre duas crianças, levando outros dois nos seus braços.

FOLLIS – Moeda instituída por Diocleciano e durou por todo o Império Bizantino. Equivalia a 1/25 do Argento.

FORRADA – Moeda falsificada, feita com um núcleo de material de pouco valor e forrada com o metal legal.

G

GERMANICUS – Titulo comemorativo das victórias sobre os inimigos do Império.

H

HONOS (honra, consideração) – Era personificada pelos romanos através de uma figura masculina de pé, segurando uma lança e uma folha de louro.

J

JANO – Rei da região do Lacio. Representa-se por uma cabeça com duas caras a olhar em sentido oposto, que significa o passado e o futuro.

JUSTITIA – Figura feminina sentada com as balanças da justiça.

JUVENTUS (juventude) – Representa-se por uma figura juvenil de pé, com patera.

M

MAJORIANA – Moeda de cobre, misturada com pouca quantidade de prata.

MEDALHAO – Cunhagem realizada por um motivo ou acontecimento especial. Com um tamanho um pouco superior ao sextércio, diferenciando-se também por não levar a sigla S. C. Existe nos três metais.

MILIARENSE – Com o desaparecimento do denário, e criada esta moeda, por Constantino I, com um peso teórico de 4,5g.

MOEDAS ALEXANDRINAS – Moedas Imperiais cunhadas no Egipto e com legenda grega.

MOEDAS BARBARAS – Moedas imitações das moedas Imperiais, fabricadas pelos povos bárbaros.

MOEDAS BIZANTINAS – Todas as moedas do Império Romano do Oriente.

MOEDAS COLONIAIS – Moedas cunhadas nas colónias de Roma. Normalmente são de bronze e formam uma serie separada das Imperiais.

MOEDAS CONTRAMARCADAS – São geralmente de bronze e raramente em prata. Levam um símbolo ou uma contramarca impressa posteriormente, como uma nova autorização de curso, noutro reinado.

MOEDAS DENTADAS OU SERRATI – São os denários de prata (apenas da Republica) que, na vez de uma orla regular, têm uma orla dentada.

MOEDAS GENUINAS – As moedas que se sabe terem sido fundidas ou cunhadas oficialmente na época da sua emissão.

MOEDAS HIBRIDAS – Moedas que têm um anverso que não corresponde com o reverso, sendo produto de cunhos pertencentes a duas moedas diferentes. Este erro poderia der fruto de uma mistura de cunhos na casa moedeira.

MOEDAS IMPERATORIAS – Moedas cunhadas por autoridade directa do Imperador.

MOEDAS IMPERIAIS – Todas as moedas cunhadas desde o inicio ate ao fim do Império Romano.

MOEDAS IMPERIAIS GREGAS – Moedas cunhadas nas províncias gregas submetidas ao domínio romano, levando a efígie imperial. A maioria destas moedas tem legenda grega e são em bronze.

MOEDAS INCUSAS – Moedas que levam dos dois lados a mesma imagem, sendo convexa de um lado e conexa do outro.

MOEDAS POSTUMAS – Moedas que levam a efígie e o nome de um Imperador, mas que foram cunhadas depois da sua morte. O primeiro a emitir este tipo de moedas foi Augusto, com moedas que tinham a cabeça de César.

MOEDAS DE RESTITUIÇAO – Moedas que foram cunhadas posteriormente a sua emissão de origem e nas quais, o Imperador que as mandou cunhar mais ou menos fielmente reproduzidas, adicionou o sue próprio nome, seguido da palavra “Restui” ou REST.

MOEDAS SENATORIAIS – Moedas cunhadas por autoridade do Senado. Tinham as siglas S. C.

MOEDAS VOTIVAS – Moedas que recordam votos.

MONETA (moeda) – Simbolizada por uma Deusa feminina que leva cornucópia e uma balança.

O

OPTIMUS (muito bom, óptimo)

P

PATER PATRIAE (pai da pátria) – Atribuído a Augusto, no ano 2 a.C. sendo posteriormente assumido pelos seus sucessores. Titulo recusado por alguns Imperadores na altura da sua subida ao Trono, que o aceitaram após alguns anos de reinado.

PATERA – Prato pouco profundo, usado para a pratica de libações.

PLUTON (Plutão) – Filho de Saturno e de Rea. Representa o Inferno.

PONTIFEX MAXIMUS (Máximo Pontífice) – Chefe dos Sacerdotes dos Deuses. Esta dignidade, uma vez atribuída, era para toda a vida.

PRAETOR – Magistrado. Assume as funções judiciais dos Cônsules.

PRINCEPS – príncipe, soberano. Muito usado a partir de Trajando, na legenda S.P.Q.R. OPTIMO.

PRINCIPS IUVENTUTIS (Príncipe da Juventude) – A palavra IUVENTUTIS figura aqui mais no sentido de exercito e não verdadeiramente no sentido literal de Juventude. A Ordem dos Cavaleiros – MAGISTER EQUITUM – escolhida entre os mais notáveis
cidadãos formava uma ordem civil e tinham o seu próprio chefe, chamado precisamente – PRINCIPS IUVENTUTIS.

Q

QUADRIGA – Carro puxado por um conjunto de quatro animais, normalmente cavalos.

QUAESTOR – Questor, magistrado encarregado de investigação criminal. Os Questões do Tesouro foram também encarregados, alguma vezes, de cunhar moeda.

QUINARIO – Existe o quinário em AR (prata) e em AV (ouro), cada um respondendo a metade do denário e do áureo, respectivamente.

R

RADIADO – Nome que se atribui ao busto do Imperador ou do personagem que aparece cunhado na moeda, quando usa uma coroa com raios.

REDONDEL – Disco de metal, pronto para cunhar uma moeda.

REX – O Titulo de REX era considerado pelos romanos, como o chefe de um povo bárbaro.

ROMULO E REMO – Os fundadores mitológicos da cidade de Roma.
Aparecem normalmente a serem amamentados por uma loba.

S

SATURNO – Divindade grega, adoptada pelos romanos como CRONO, o Deus do Tempo.
-S.C. – Siglas que aparecem nas moedas imperiais, em bronze e que
significam Senatus Consultus. A cunhagem das moedas em bronze
foram durante largo período, da responsabilidade do Senado, pelo que
se tornava imperioso dar a conhecer que as moedas tinham sido
autorizados por este órgão.

SECURITAS (segurança, tranquilidade) – Representada por uma figura feminina, que pode aparecer sentada ou de pé, com um ceptro ou uma patera (ver significado).

SEMIS (ouro) – Moeda que equivale a meio soldo de ouro e tem um peso teórico de 2,25g.

SEMIS (AE) – Moeda que equivale a metade do AS.

SERRATO – Moeda, geralmente denários republicanos, que se encontra com as orlas em forma de serra.

SESTERCIO – Moeda do Império Romano, de bronze e que equivalia a 4 asses ou 2 dupondios. Tinha peso teórico de 27,0g. São das moedas de grande beleza e valor artístico.

SILIQUA – Moeda do Império Romano, de prata, que apareceu cerca de 350 d.C. e das quais existem divisores e múltiplos.

SOL – Deusa grega HELIO que apresenta o Sol.

SOLIDO – Moeda do Império Romano, de ouro, cujo peso era de 1,40g e equivalia a 34 siliquas.

T

TIPO – Motivo iconográfico principal da face da moeda, por oposição da
legenda.

TREMISSES – Moeda de ouro, que equivalia a um terço do solido e que
tinha um peso teórico de 1,50g. Esta moeda deu lugar ao triente (ouro)
que foi a moeda base do numerário visigodo.

TRIBUNITIAS POTESTAS – No inicio da Republica Romana, os Tribunos do Povo foram criados, com o principio de proteger os plebeus (classes mais desfavorecidas) contra os patrícios (aristocratas). Apesar deste nobre inicio, o poder destes Tribunos foi aumentando gradualmente ate ao ponto de, com o pretexto de defenderem as casses mais baixas e os seus respectivos direitos, poderem fazer tudo o que desejavam. Este ilimitado poder foi reduzido drasticamente por SILA.
Embora muitos destes privilegies tenham sido restabelecidos após a morte deste ditador, foram novamente cortados por JULIO CESAR.

U

UBERITAS - Fertilidade
Representada por figura Fiminina que segura cornucópia e um cacho de uvas
C/ Melhores cumprimentos:
M E N D E S
€uroe$cudo

Consulta Rápida do Fórum ---- Literatura On-line [PDF]

mendesios
Reinado D.Pedro V
Mensagens: 244
Registado: sábado ago 01, 2009 10:29 pm
Localização: FEIJÓ - ALMADA

Re: Dicionário de Numismática

Mensagempor mendesios » domingo mar 07, 2010 2:12 pm

:thumbupleft: EXCELENTE TRABALHO
NUNCA É TARDE PARA A NUMISMÁTICA
Coleciono de PORTUGAL ( MONARQUIA , REPÚBLICA ) e um pouco de todo o MUNDO

masg
Reinado D.Miguel
Mensagens: 313
Registado: quinta fev 05, 2009 10:44 pm
Localização: Rexaldia, Torres Novas, Samtarém, Portugal
Contacto:

Mensagempor masg » domingo mar 07, 2010 2:15 pm

:clap3: :clap3:
Cumprimentos,
Marco André Santos Gonçalves
____________________________
Colecciono: MOEDAS, CARROS MINIATURA, LOTARIAS, PIRILAMPOS MÁGICOS,SIGLAS DE MARCAS E MODELOS Nova colecção http://www.forum-numismatica.com/viewtopic.php?f=17&t=49714

Numis
Reinado D.João II
Mensagens: 1177
Registado: domingo mai 06, 2007 9:59 am
Localização: Lisboa

Mensagempor Numis » domingo mar 21, 2010 1:00 pm

:clap3: :clap3: :clap3: :clap3: :thumbupleft:
As minhas moedas Atualizado 05/04/2017

https://drive.google.com/file/d/0BydyGE ... p=drivesdk

basica
Escudinho da II República
Mensagens: 9
Registado: quarta mai 12, 2010 12:21 pm

Mensagempor basica » sexta mai 14, 2010 10:31 am

Que bom trabalho!

Para mim, que não conheço muito, revela-se uma boa introdução. Imagino que não tenha sido muito fácil colocar aqui toda esta informação! Daí os meus parabéns!
Só para complementar - e perdoem-me se vou ser demasiado exigente - era mesmo uma foto de cada exemplar...mas acho que isso fica para meu trabalho de casa :D

Muito obrigada pelos posts! :thumbupleft:

wsrc
Reinado D.Carlos
Mensagens: 117
Registado: quinta mar 11, 2010 12:46 am

Re: Dicionário de Numismática

Mensagempor wsrc » terça fev 22, 2011 6:39 pm

O que significa UNC?

carlajcoelho
Reinado D.Miguel
Mensagens: 324
Registado: quinta out 18, 2007 10:17 pm
Localização: Lisboa
Contacto:

Re: Dicionário de Numismática

Mensagempor carlajcoelho » quarta fev 23, 2011 12:15 am

Fantastico trabalho
Parabens
Carla Coelho


Voltar para “Numismática em geral”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 3 visitantes