Fórum Numismática

Lugar de convívio de colecionadores de moedas, notas e outros artigos
Data/Hora: domingo dez 16, 2018 10:19 pm

Hora UTC




Criar Novo Tópico  Responder a este Tópico  [ 5 mensagens ] 
Autor Mensagem
MensagemEnviado: sábado jul 16, 2011 6:45 pm 
Desligado
Reinado D.Filipe II
Avatar do Utilizador

Registado: quarta set 19, 2007 1:01 pm
Mensagens: 838
Localização: Italia
A heráldica é uma ciência. É também a arte de descrever os brasões de armas ou escudos.

Um brasão (também designado por brasão de armas ou cota de armas), na tradição européia, é um desenho especificamente criado - usando peças, esmaltes e metais - com a finalidade de identificar indivíduos, famílias, clãs, cidades, regiões e nações.
Os brasões não eram fornecidos ao acaso para as pessoas. Tiveram as suas origens em atos de coragem e bravura efetuados por grandes cavaleiros. Era uma maneira de os homenagear e às suas famílias. Com o passar do tempo, por ser considerado um ícone de status, passou a ser conferido às famílias nobres no intuito de identificar o grau social delas. Dessa forma, somente os heróis ou a nobreza possuíam tal ícone e o poderiam transmitir a seus descendentes.

As origens da heráldica remontam aos tempos em que era imperativo distinguir os participantes das batalhas e dos torneios, assim como descrever os serviços por eles prestados e que eram pintados nos seus escudos. No entanto, é importante notar que um brasão de armas é definido não visualmente, mas antes pela sua descrição escrita, a qual é dada numa linguagem própria – a linguagem heráldica.
Ao ato de desenhar um brasão dá-se o nome de brasonar que segue uma série de regras mais ou menos restritas.

OS FORMATOS DOS ESCUDO

Existem diversos deles, variando de reino para reino, de nação para nação. No nosso caso particular, nas representações que aparecem nas moedas brasileiras, interessam 3 tipos (amendoado, português primitivo e português clássico), com particular atenção ao terceiro deles, o português clássico.

Imagem


METAIS E ESMALTES

As cores do brasão designam-se genericamente esmaltes e a sua representação obedece a determinadas regras e convenções. Dividem-se tradicionalmente em Metais (Ouro e Prata), Cores (Vermelho, Azul, Verde, Negro e Púrpura) e Peles (Arminhos e Veiros).
Alguns autores referem ainda um esmalte específico, a Carnação, cor natural da pele humana.

O ouro e a prata podem ser representados como metais, com os reflexos próprios, ou pelas cores amarela e branca, respectivamente.

Compete ao artista que ilumina o brasão decidir sobre o tom específico de cada esmalte e as sombras e outros efeitos a aplicar ao desenho, dentro das regras do desenho heráldico.

Como regra essencial, não se devem sobrepor metais a metais nem cores a cores (por exemplo, não é de boa heráldica um brasão com uma cruz de prata sobre campo de ouro, ou com uma cruz de vermelho sobre campo de azul). Justifica-se tradicionalmente esta regra com uma explicação técnica: quando se pintava um escudo, não se empregavam tintas sobre tintas, para não correr o risco de misturas ou esborratamentos. Outra explicação refere a necessidade de distinguir com rapidez os combatentes numa batalha ou torneio, o que impunha a utilização de cores fortes e contrastadas.

As peles podem ser sobrepostas tanto a metais como a cores.

Nas duas fileiras a seguir, a representaçãs do ouro (primeira fila) com sua cor natural ou com o amarelo, e a forma armorial com "salpico" de pontos sobre fundo branco. Mas abaixo (segunda fila), a representação para a prata.

Imagem

OS ESMALTES

Imagem

Imagem

Diante do que foi dito, ao leitor é fácil compreender as relações entre traços e as cores na heráldica. Na figura acima temos o escudo português em sua forma clássica e naquela armorial com os traços representando as cores. Nota-se assim, o vermelho substituído por traços verticais e o azul dos escudetes com traços horizontais. Não sendo possível "imprimir" nas moedas, as cores das armas, estas eram substituídas pela sua versão armorial, com traços, como bem se pode observar na figura de anverso de um 960 réis, abaixo.

Imagem

A DIVISÃO DO ESCUDO

O escudo é tradicionalmente dividido em nove partes ou zonas, com vista à descrição da localização das peças no seu campo.

Imagem

Importante: A direita e a esquerda do escudo são definidas em relação ao cavaleiro que se encontra por trás do escudo.

Imagem

A zona superior, principal e mais nobre do escudo é o chefe.

Imagem

Por extensão, todo o terço superior do escudo é, por vezes, designado por chefe, embora em rigor o chefe seja apenas a zona central do topo do escudo.

Imagem

As zonas laterais do escudo são os flancos.

Imagem

O centro do escudo é o coração ou abismo. Em rigor, ao descrever uma peça colocada no centro do escudo, deve referir-se que está colocada no coração se a peça for do mesmo tamanho que as restantes, e brasonar-se que a peça está em abismo se for mais pequena que as outras.

Imagem

A zona inferior do escudo, oposta ao chefe, é a ponta ou contrachefe.

Imagem

Da mesma forma que sucede com o chefe, designa-se por vezes por ponta todo o terço inferior do escudo.

Imagem

Finalmente, existem dois pontos especiais que merecem uma designação própria: o ponto de honra, entre o chefe e o coração, raramente usado, e o umbigo do escudo, entre o coração e a ponta, de uso ainda mais raro.

Imagem


PEÇAS INTERNAS - HONRARIAS

As regras (convenções) de sinais das peças internas confundem-se, com frequência, com a convenção das partições do escudo, mesmoporque algumas formas das peças são geometricamente iguais às de algumas partições.
A diferença básica entre elas é que na convenção das partições as formas geométricas são usadas apenas para identificar e localizar (ao interior do escudo) as cores, os detalhes, as diversas figuras, etc, quando que na convenção das peças internas, as formas geométricas são usadas para simbolizar uma honraria obtida pelo detentor do escudo.

Imagem

Na figura acima, na fileira de baixo, o segundo escudo (em Cruz), da esquerda para a direita, simboliza a espada do cavaleiro, muito usado por nobres e cavaleiros nas campanhas das Cruzadas.
Foi justamente essa configuração a escolhida por D. Afonso I, o primeiro rei de Portugal, em meados do século XII, ao tomar por escudo um campo de prata, centrado por uma Cruz azul (figura a seguir).

Imagem

Seu filho, o rei Sancho I, por ocasião da explosão da moda ditada pela heráldica, alterou a representação da Cruz, adotando a forma com escudetes "cravejados" de besantes de prata que serviam a reforçar a superfície do escudo, fixando tecidos , peles, couro e metais. A mudança, na época, foi considerada muito oportuna e de acordo com o gosto heráldico naquele momento.

Imagem

O filho de Sancho I, o rei D. Afonso II, por sua vez, simplificou a forma considerada difícil de se representar, com os escudetes repletos de besantes. Foi o próprio monarca a sugerir a redução dos besantes a um total de cinco, por escudete.

Imagem

Por fim, o rei D. Afonso III, incluiu os castelos herdados de seu avô, D. Afonso VIII de Castilla, em torno a 1250. Para tanto, alterou a forma primitiva para aquela clássica, usada ainda hoje. Durante a ocupação de Ceuta, o escudo português terminou por dar origem àquele da cidade autônoma, hoje pertencente ao território espanhol.

"Ceuta, cidade no estreito Hercúleo, em frente de Gibraltar,
foi uma das principais cidades no tempo dos Mouros, tanto
em edifícios como em riqueza de mercadorias, que daqui
partiam para toda a terra do Sertão.
E estava em tanta prosperidade que quantos navios
passassem pelo dito estreito, quer do Levante quer do
Poente, tinham que amainar as velas, porque toda a nau
que isto não fizesse, as galés dos Mouros as seguiam e
as tomavam." (Valentim Fernandes, 1507)

CEUTA - Atualmente é uma cidade autônoma espanhola, situada no norte da África, circundada pelo marrocos, localizada sobre a costa do mar mediterrâneo, vizinho ao estreito de Gibraltar, contando com uma superfície de 18,5 km2. Da época da idade clássica, Ceuta era conhecida como uma das colunas de Hércules (a outra era Gibraltar). Superado o estreito braço de mar que separa as duas cidades que marcavam o fim do mediterrâneo, tudo era desconhecido.
No decorrer dos séculos, Ceuta esteve sucessivamente subjugada ao domínio estrangeiro, a saber, aquela cartaginês, seguido da dominação romana, visigoda e árabe até que, em 1º de agosto de 1415, foi conquistada pelos portugueses. Em 1668, Portugal cedeu o território, definitivamente, à Espanha.
Ceuta possui un status entre província, cidade e comunidade autônoma. Antes do Estatuto de Autonomia, Ceuta fazia parte da administração da província de Cadiz.

Imagem

A posição estratégica de Ceuta, na ponta setentrional do Marrocos (sobre o estreito de Gibraltar), fez com que a cidade se tornasse um local de passagem de muitas culturas, comerciantes e empresas militares, desde os tempos dos cartagineses no século V a.C. A partir de 2 d.C., quando os romanos passaram a controlar a região, que esta cidade portuária (na época chamada Septem Fratres), passou a fazer parte de um importante cenário militar e comercialmente estratégico. Após 400 anos de dominação romana, os visigodos assumiram seu controle que terminou passando aos muçulmanos em 710 d.C.. A região foi então usada como cabeça de ponte pelo chefe bérbere Tariq ibn Ziyad, em incursões à Espanha dominada pelos visigodos.

Séculos mais tarde, em 1415, durante o reinado de D. João I de Portugal, Ceuta foi conquistada pelos portugueses guiados pelo príncipe Henrique, O Navegador. O objetivo primário de tal conquista era aquele de acabar com a influência muçulmana na região e promover o cristianismo. Em 1º de janeiro de 1668, em Lisboa, foi assinado um tratado de paz entre Afonso VI de Portugal e Carlos II da Espanha, tendo como mediador o soberano inglês Charles II. Através desse acordo, Portugal cedia o território de Ceuta, definitivamente, aos espanhóis.

A diferença do escudo de Ceuta para aquele português, é estabelecida em dois elementos do escudo:

1. Enquanto o escudo de Ceuta carrega uma coroa de marquês, o escudo português ostentava uma coroa real, própria das marcas.

2. A posição dos castelos da bordadura. Nas armas de Portugal, os castelos estão dispostos de forma que a ponta do escudo esteja vazia, não contendo castelos. Já no escudo da cidade autônoma de Ceuta, o scastelos estão dispostos em ponta e flancos, deixando o chefe vazio. Tal diferença foi estabelecida na confecção do escudo, não sendo acidental como defendem alguns autores.

_________________
Clique aqui para conhecer o site BENTES


Topo
   
MensagemEnviado: sábado jul 16, 2011 8:50 pm 
Desligado
Reinado D.Miguel

Registado: domingo set 30, 2007 11:37 pm
Mensagens: 325
Obrigado, foi uma leitura muito interessante. :thumbs: Eu unca tinha ouvido dessa relação entre as cores e os traços.


Topo
   
MensagemEnviado: sábado jul 16, 2011 8:56 pm 
Desligado
Reinado D.Afonso Henriques
Avatar do Utilizador

Registado: terça nov 09, 2004 2:50 am
Mensagens: 15214
Localização: Brasil
Parabéns pelo trabalho Bentes, mais um dos seus excelentes textos!
Inamovível com louvor!

_________________
http://www.megaleiloes.com/leiloes.php? ... liveirarod ML - http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_14426169
"O colecionador é um homem mais feliz"
DIGA "NÃO" ÀS FALSIFICAÇÕES CHINESAS - Não colabore com mercado criminoso


Topo
   
MensagemEnviado: sábado jul 16, 2011 9:59 pm 
Desligado
Reinado D.Afonso Henriques
Avatar do Utilizador

Registado: quarta abr 02, 2008 12:11 am
Mensagens: 6925
Localização: Porto
Excelente trabalho apresentado. :green:

_________________
COM OS MEUS CUMPRIMENTOS.
ANTÓNIO JÚLIO


Topo
   
MensagemEnviado: sábado jul 16, 2011 10:22 pm 
Desligado
Reinado D.Dinis

Registado: domingo out 10, 2010 11:30 am
Mensagens: 1562
Localização: Al garve
Há quem diga que tambem fomos para Ceuta atrás dos cereais que por lá se cultivavam e ali confluíam rotas comerciais mouriscas... fosse qual fosse a razão, foi em 1415 e em Ceuta que os Descobrimentos portugueses se iniciaram. É caso para dizer, foi o principio do nosso fim! E sempre com a religião por intermédio...

_________________
CARPE DIEM

Luís


Topo
   
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico  Responder a este Tópico  [ 5 mensagens ] 

Hora UTC


Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Google [Bot] e 2 visitantes


Criar Tópicos: Proibido
Responder Tópicos: Proibido
Editar Mensagens: Proibido
Apagar Mensagens: Proibido
Enviar anexos: Proibido

Pesquisar por:
Ir para:  
Desenvolvido por phpBB® Forum Software © phpBB Limited
Traduzido por: phpBB Portugal