Eritreia italiana - o Tallero.

Moderadores: Netfobia, Moderador de Honra

Responder
Mensagem
Autor
Avatar do Utilizador
doliveirarod
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 15373
Registado: terça nov 09, 2004 2:50 am
Localização: Brasil

Eritreia italiana - o Tallero.

#1 Mensagem por doliveirarod » terça out 16, 2018 12:02 am

Eritrea1890Governatore.jpg
Bandeira da Eritreia italiana de 1896 até 1936. Armas de Savóia sobre fundo branco.

ERITREIA - Em tempos ancestrais os territórios da Etiópia e da Eritreia formavam o que bem mais tarde se viria a entender por Abissínia. No século VIII antes de Cristo, surge nessas terras uma civilização urbana, descendente do reino de Sabá. Derivado dessa civilização, no século VII, surge mais tarde o reino Axumita (Axum), que também ocuparia as terras que hoje pertencem aos mencionados dois países. Na região do Mar Vermelho, Axum era o reino mais importante, Aksum, sua capital (na atual Etiópia),era de grande importância, dominava o comércio naquelas partes do mundo, visto que era uma importante rota entre o Egito e a Índia, e cunhava sua própria moeda em cobre, ouro e prata.
Em 1137, morre o último rei axumita, e o império é conquistado pela dinastia Zagué, que mantém o cristianismo e as tradições dos axumitas. Em 1270 os Zagué são depostos por um rei que se dizia da descendente direto de Salomão, surgindo aí a dinastia Salomônica, governado pelos Habesha, nome do qual "Abissínia" derivaria.
Os Europeus entendiam como "Etiópia" todas as terras abaixo do Egito, sem fazer distinção de povo ou país, acreditando que por aquelas bandas se encontraria o Preste João, um riquíssimo rei branco cristão.
O islamismo começa a crescer na região e a ameaçar seriamente os abissínios cristãos. Os árabes e principalmente os otomanos vão se apoderando das áreas costeiras da Abissínia, obrigando os etíopes a ocuparem cada vez mais o interior e as áreas montanhosas. Durante o século XVI, os portugueses socorrem militarmente a Etiópia, com homens e armas, evitando que os otomanos tomassem toda a Abissínia.
Entretanto, os turcos estavam estabelecidos na costa desde 1578, nas terras da atual Eritreia, e lá permaneceram até meados do século XIX.

ERITREIA ITALIANA - Com a decadência otomana e a corrida colonial européia, a Itália, em busca de seu quinhão na África, começa a ocupar as terras da Eritreia em 1889, depois de firmar um tratado com o imperador da Etiópia, Menelik II. Nomeiam a sua nova colônia com o nome latino ancestral do mar vermelho; Mare Erythraeum. Em 1936, Mussolini invade e conquista a Etiópia, depois de o exercito italiano ter falhado em Adwa em 1896, então um grande vexame para as armas italianas. A Etiópia e a Eritreia são então unificadas sob uma única administração, incorporadas a África Oriental Italiana.

Com a derrota italiana na Segunda Guerra, em 1941, a Eritreia sai da órbita da Itália, tornando-se um protetorado britânico, enquanto a Etiópia é libertada e volta a ser governada por seu imperador, Hailé Salassié.

INDEPENDÊNCIA - Em 1952, a ONU determina que se estabeleça uma federação entre os países irmãos, Etiópia e Eritreia, sob o governo do imperador da primeira, Hailé Salassié, que, em 1961, extingue a federação, incorporando o território da Eritrea como província. Isso dá motivo para que se iniciem as guerras de independência, e, em 1991, a independência do território conseguida, sendo reconhecida a Eritreia como um país, pela ONU, em 1993.

A NUMÁRIA COLONIAL - Após a ocupação da terra em 1889, os italianos rapidamente providenciam uma moeda local para firmar soberania naquela que seria a sua primeira colônia, surge assim o tallero.
O nome "tallero" deriva de taler, pois era a moeda baseada no peso e na liga do taler de Maria Teresa ( viewtopic.php?f=61&t=118687 ), que, como se sabe, era a moeda de franca circulação por aquelas terras e pelo norte da África inteiro. O sistema era o da lira italiana, que por sua vez obedecia os ditames da União Monetária Latina: 100 centesimi = 1 lira. 5 lira = 1 tallero. Entretanto, o tallero (também chamado Riyal pela população local) tinha 28,12 gramas, pesava, portanto, 3,12 gramas a mais que a moeda de 5 liras metropolitana (25 gramas), o motivo era que precisava concorrer com os fortes e bem aceitos talers austríacos de Maria Teresa. Mesmo assim, parece que a moeda não foi bem aceite entre os nativos, que preferiam receber em talers conhecidos, o que levou as autoridades italianas a proibir a circulação dos talers de M. Teresa, de forma a forçar a circulação do tallero naquele território. O tallero e suas divisionárias circularam entre 1890 e 1921, sendo que a última moeda de prata foi cunhada em 1918.

Eis as peças:
50centerit.jpg
50 centesimi
1890M (Milão)
Prata 0,835 - 2.5 gramas (teórico)
Ensaiador: Filippo Speranza (gravador chefe da Casa da Moeda de Roma)
KM 1
Rev: COLONIA ERITREA - C. 50. "1/10 de birr" em amárico - 1/10 de Riyal em árabe.
Verso: "HUMBERTO I RE D'ITALIA 1890" - Busto coroado do rei à direita.


Datas cunhadas:
1890M - 1.800,000 exemplares
1lirerit.jpg
1 Lira
1890R (Roma)
Prata 0,835 - 5 gramas (teórico)
Ensaiador: Filippo Speranza (gravador chefe da Casa da Moeda de Roma)
KM 2
Rev: COLONIA ERITREA - L. 1. "1/5 de birr" em amárico - 1/5 de Riyal em árabe.
Verso: "HUMBERTO I RE D'ITALIA 1890" - Busto coroado do rei à direita.


Datas cunhadas:
1890R - 598,000 exemplares
1891R - 2.401,000 exemplares
1896R - 1.500,000 exemplares
2lirerit.jpg

2 Lira
1890R (Roma)
Prata 0,835 - 10 gramas (teórico)
Ensaiador: Filippo Speranza (gravador chefe da Casa da Moeda de Roma)
KM 3
Rev: COLONIA ERITREA - L. 2. "2/5 de birr" em amárico - 2/5 de Riyal em árabe.
Verso: "HUMBERTO I RE D'ITALIA 1890" - Busto coroado do rei à direita.


Datas cunhadas:
1890R - 1000.000,000 exemplares
1896R - 750.000 exemplares
talero.jpg
Tallero
1891R (Roma)
Prata 0,835 - 28,12 gramas (teórico)
Ensaiador: Filippo Speranza (gravador chefe da Casa da Moeda de Roma)
KM 4
Rev: COLONIA ERITREA - TALLERO - L.5. "1 birr" em amárico - "1 Riyal" em árabe.
Verso: "HUMBERTO I RE D'ITALIA 1891" - Busto coroado do rei à direita.


Datas cunhadas:
1891R - 196,000 exemplares
1896R - 200,000 exemplares
tlr.jpg
Tallero
1918R (Roma)
Prata 0,835 - 28,06 gramas (teórico)
Ensaiador: Atillio Silvio Motti
KM 5
Rev: AD.NEGOT.ERYTHR.COMMOD.ARG.SIGN.R - Águia e escudo da casa de savóia.
Verso: "REGNUM ITALICUM 1918" - busto feminino à direita.
Exergo: FERT FERT FERT


Datas cunhadas:
1918R - 510,000 exemplares

A última emissão considero especialmente bonita! Ela é inspirada no Tallero da República de Veneza, particularmente o tipo cunhado no fim do séc. XVIII.

Atenção!! Todos os tipos de talleros foram falsificados! Os chineses de primeira geração são fáceis de distinguir pelo peso, mas existem os feitos em prata boa, esse vão requerer maior atenção do colecionador, pois devem ser detectados pelos detalhes de relevo e rebordos.

Embora se possa perceber a grande cunhagem em geral, elas não são moedas fáceis, não aparecem, principalmente as datas de menor tiragem e os talleros. Isso leva a crer que boa parte delas deve ter sido destruída depois da desmonetarização em 1921.

A EFÍGIE:
Umberto_I_of_Italy.jpg
Umberto I (casa de Savóia) era filho de Vítor Emanuel II, o rei da unificação italiana. Sua formação foi basicamente militar, iniciando a carreira como capitão e participando da guerra da unificação italiana em várias batalhas, algumas das quais teria se destacado. Assume o trono em 1878, com a morte de seu pai, e neste mesmo ano escapa da primeira tentativa de assassinato, por um anarquista. Anarquistas e socialistas iriam causar grandes revoltas em seu reinado, notadamente depois do massacre de Bava Beccaris (general), em Milão, onde trabalhadores protestavam pelo aumento de tributos e escassez de alimentos, quando foram vítimas de fogo de artilharia do exército, que teria matado ao menos 90 pessoas. Foi o rei responsável pela expansão colonial da Itália na África, tomando a Eritreia e a Somália, fracassando na tentativa de ocupar a Etiópia, depois da derrota em Adwa, em 1896. As tensões sociais, o anarquismo e a crescente expansão do socialismo marcaram profundamente sua época. Foi no meio desse caldeirão que, Benito Mussolini, um jovem jornalista, começou a sua atividade política. Segue a segunda tentativa de regicídio fracassada, em 1897.
Em 1900, o rei finalmente é assassinado, na terceira tentativa, pelas mãos de um anarquista, revoltado por ter perdido uma irmã no massacre de Milão. Leva três tiros em Monza, durante uma entrega de prêmios.
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.


http://www.megaleiloes.com/leiloes.php? ... liveirarod ML - http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_14426169
"O colecionador é um homem mais feliz"
DIGA "NÃO" ÀS FALSIFICAÇÕES CHINESAS - Não colabore com mercado criminoso

Avatar do Utilizador
soga80
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 4171
Registado: sábado dez 20, 2014 6:31 pm
Localização: Leiria

Re: Eritreia italiana - o Tallero.

#2 Mensagem por soga80 » terça out 16, 2018 5:34 am

Boas informações, bom post obrigado

Avatar do Utilizador
silvio2
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 3624
Registado: sexta jun 28, 2013 4:10 pm
Localização: Leiria (Distrito)

Re: Eritreia italiana - o Tallero.

#3 Mensagem por silvio2 » terça out 16, 2018 7:44 am

Excelentes moedas e magnífica lição de História! :D :clap3:
Obrigado pela disponibilidade e partilha. :thumbupleft:
Cumprimentos,
Sílvio Silva

Avatar do Utilizador
AntonioMota
Reinado D.Filipe III
Mensagens: 765
Registado: sábado jan 28, 2006 10:17 am
Localização: Amarante / Celorico de Basto

Re: Eritreia italiana - o Tallero.

#4 Mensagem por AntonioMota » terça out 16, 2018 3:01 pm

Mais uma excelente lição de História.
Obrigado, caro Fabiano!

jdickson
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 3109
Registado: domingo dez 12, 2010 10:27 pm

Re: Eritreia italiana - o Tallero.

#5 Mensagem por jdickson » terça out 16, 2018 6:05 pm

Muito boas e muito difíceis de encontrar (e pagar!) :clap3: :clap3: :clap3:

RubenGMelo
Reinado D.Pedro I
Mensagens: 1433
Registado: domingo ago 04, 2013 11:09 pm

Re: Eritreia italiana - o Tallero.

#6 Mensagem por RubenGMelo » terça out 16, 2018 6:18 pm

Muito parabéns pelas moedas e pela lição de história! Obrigado caro Fabiano.
Cumprimentos,

Ruben Melo

Megaleilões: https://megaleiloes.pt/RubenGM/loja

bruck
Reinado D.Pedro V
Mensagens: 240
Registado: segunda abr 09, 2018 10:35 pm

Re: Eritreia italiana - o Tallero.

#7 Mensagem por bruck » segunda fev 11, 2019 9:53 pm

Gratidão pelas fotos, e pela aula de História, nobre colega doliveirarod :)

Pedro Leg
Escudinho da II República
Mensagens: 20
Registado: domingo set 29, 2019 3:07 pm

Re: Eritreia italiana - o Tallero.

#8 Mensagem por Pedro Leg » terça out 01, 2019 11:19 am

Por razões profissionais vagueei por essa região (Corno de África) entre 1989/1990 e confirmo que nesta altura os taleres "Menelik" e "Maria Theresa 1780" (assim como moedas italianas em prata de 25 gr) eram ainda vistos nos mercados, pelo menos em Djibouti. Comprei alguns destes exemplares que citei e ainda algumas do imperador, ou Negus, Hailé Selassié. Resta saber se são verdadeiros ou copias.
Oportunamente mostrarei aqui fotos para tirar duvidas. Neste momento estou no estrangeiro, longe das minhas moedas.
Aquilas non capent muscas

Avatar do Utilizador
doliveirarod
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 15373
Registado: terça nov 09, 2004 2:50 am
Localização: Brasil

Re: Eritreia italiana - o Tallero.

#9 Mensagem por doliveirarod » quinta out 03, 2019 1:00 am

Cuidado, existem muitas falsificações. Mas se adquiriu na década de 80, realmente tem boas chances de serem autênticas, atente para o peso delas.
http://www.megaleiloes.com/leiloes.php? ... liveirarod ML - http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_14426169
"O colecionador é um homem mais feliz"
DIGA "NÃO" ÀS FALSIFICAÇÕES CHINESAS - Não colabore com mercado criminoso

Responder

Voltar para “África”