Fórum Numismática

Lugar de convívio de colecionadores de moedas, notas e outros artigos
Data/Hora: segunda mar 18, 2019 9:27 pm

Hora UTC




Criar Novo Tópico  Responder a este Tópico  [ 7 mensagens ] 
Autor Mensagem
 Assunto da Mensagem: México - Peso do segundo império
MensagemEnviado: domingo out 02, 2011 12:39 am 
Desligado
Reinado D.Afonso Henriques
Avatar do Utilizador

Registado: terça nov 09, 2004 2:50 am
Mensagens: 15265
Localização: Brasil
Vai p/ o JP Matos e p/ o JCarlos.

Anexo:
potosi.jpg

Peso do segundo império do México.
Imperador Maximiliano I.
1866 "PI" - Casa de San Luis de Potosi.
prata
27 gramas - 0,903
KM 388.2


Anexo:
mexico.jpg

Peso do segundo império do México.
Imperador Maximiliano I.
1866 "M" - Casa do México.
prata
27 gramas - 0,903
KM 388.1


A primeira moeda está algo entre XF/UNC, boas características de cunhagem, é algo "obsoleta", máquina antiga. A casa é a 2ª mais escassa, marca bem p/ esse estado. A segunda moeda é da casa do México, em bom estado, circulou pouco, possui pátina agradável, mas um cunho cansado a deixou com uma deficiência em alguns detalhes, além de serem perceptíveis alguns riscos típicos do ajuste do disco.

O peso foi instituído pelo novo regime em 1864, interrompendo a antiga denominação do real, herdada dos espanhóis. Assim, um peso valia 8 reales antigos. Com a queda do regime, em 1867, a velha denominação da piastra mexicana de 8 reales é novamente adotada, e a denominação "peso" retornaria na reforma de 1869.

Apenas 3 casas cunharam o peso de Maximiliano: México (M); San Luis de Potosi (PI) e Guanajuato (G). A casa do México foi a que mais bateu moeda, entre os anos de 1866 e 1867 (2.148,000 e 1.238,000 exemplares, respectivamente). A de San Luis de Potosi é algo escassa, bateu moeda apenas no ano de 1866. A de Guanajuato é uma casa muito rara, bateu poucos exemplares, que atualmente pegam cotações bem altas!

O gravador era mexicano, responsável pela arte da Casa da Moeda, tratava-se de Sebastián C. Navalón, que trabalhou como esaiador oficial de 1853-1893.

Anexo:
imp mexico.jpg


Na América do Sul apenas 3 países experimentaram monarquias: México, Brasil e Haiti. A do Haiti foi uma monarquia local, crioula, de curta duração. A Brasileira foi sem dúvida a mais duradoura e bem sucedida, por meio da casa dos Bragança.

O México por sua vez, teve o "primeiro império" sob Inturbide, um general que se auto proclamou imperador e foi derrubado pouco tempo depois (1822 a 1823, num período de 8 meses).
O "segundo império" mexicano deu-se por meio de uma intervenção francesa um tanto desastrada, decorrente da política intervencionista de Napoleão III, que buscava, por meios militares, ampliar a influência francesa no continente americano.
Napoleão III deu apoio aos aos realistas mexicanos, que desejavam tornar o México uma monarquia. Assim, a Assembléia dos Notáveis convida para ocupar o cargo de rei do recém criado Império do México, em 1864, o Arquiduque Maximiliano de Habsburgo, que era irmão mais novo de Francisco José I, da Áustria, e portanto, estava "sem trono" (Ele pretendia se casar com Maria Amélia de Bragança, filha de D. Pedro I do Brasil, Pedro IV de Portugal, mas a garota faleceu antes).

Persuadido por Napoleão III, aceita o encargo e ruma para o México, devidamente escoltado por soldados franceses. O que se segue é uma verdeira invasão, os franceses, apoiados pelos realistas locais, que na verdade buscavam um regime que lhes mantivesse os velhos privilégios de sempre, conseguem momentaneamente vencer o povo, e instalar precariamente Maximiliano no "trono". Entretanto, ante a realidade daquele país, Maximiliano de Habsburgo era na verdade um belo de um "corpo estranho".

O ex-presidente deposto, Benito Juarez, contava com o apoio americano. Os EUA não gostaram da idéia de mais uma monarquia católica nas Américas, logo embaixo deles, e exigiram da França a retirada de suas tropas do continente, tudo de acordo com a "doutrina Monroe" (A América p/ os americanos - Aliás essa frase tem uma dupla interpretação :) ). Maximiliano tentava uma aproximação com o Brasil, por meio de seu primo, o imperador Pedro II, mas o imperador brasileiro mantinha-se afastado da encrenca, onde nada teria a ganhar.

Napoleão III percebe que acabaria tendo que arcar com uma guerra no México. Tendo em vista os atritos que já apareciam no horizonte com a Alemanha, em processo de unificação e, assim, uma ameaça muito real e consistente (Napoleão III caiu devido à guerra franco-prussiana, onde os franceses foram derrotados), o imperador francÊs ordena a retirada das tropas estacionadas no México, em 1866, aconselhando Maximiliano a cair fora enquanto havia tempo.

Mas o homem era valente, e aferrou-se ao trono, apenas com o apoio dos realistas, tomando a frente de suas tropas, disposto mesmo a enfrentar o apoio dos EUA aos republicanos.

Assim, com os franceses fora, Benito Suarez avança com seus guerrilheiros rebeldes, armados com apoio dos EUA, e cerca sem grandes dificuldades a capital mexicana. O imperador foge, mas é capturado em Santiago de Querétaro, onde acaba fuzilado, juntamente com seus generais Tomás Mejía e Miguel Miramón. Morreu sem venda nos olhos, e antes deu um berro de "Viva o México", terra que ele parecia de fato gostar. Corria o ano de 1867, o último da experiência monárquica mexicana.

Anexo:
Maximilian_I_of_Mexico_portrait_standing.jpg


A morte de Maximiliano acabou imortalizada numa obra célebre, do pintor francês Manet:

Anexo:
Manet_022.jpg


Bom, mais uma peça cheia de história!
:thumbs:


Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.

_________________
http://www.megaleiloes.com/leiloes.php? ... liveirarod ML - http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_14426169
"O colecionador é um homem mais feliz"
DIGA "NÃO" ÀS FALSIFICAÇÕES CHINESAS - Não colabore com mercado criminoso


Topo
   
MensagemEnviado: domingo out 02, 2011 12:46 am 
Desligado
Reinado D.Afonso Henriques

Registado: terça jul 21, 2009 12:55 am
Mensagens: 5127
Localização: Rio de Janeiro, Brasil
Essas de Maximiliano I são bem escassas.

Peça rechadíssima de história.

_________________
Rodrigo Leite

Scientia nvmismatica ad omnivm gentivm.


Topo
   
MensagemEnviado: domingo out 02, 2011 10:27 am 
Desligado
Reinado D.Afonso II
Avatar do Utilizador

Registado: terça mar 08, 2011 2:58 pm
Mensagens: 2248
Localização: Évora
Obrigado pela dedicatória,para mim é a primeira vez,obrigado.
Parabéns pela excelente moeda,bem rara e com muita historia. :clap3: :clap3: :clap3: :clap3: :clap3: :clap3: :clap3: .

_________________
Cumprimentos,JPMatos.
:fcp: :fcp: .


Topo
   
MensagemEnviado: terça nov 27, 2018 2:54 am 
Desligado
Reinado D.Afonso Henriques
Avatar do Utilizador

Registado: terça nov 09, 2004 2:50 am
Mensagens: 15265
Localização: Brasil
Atualizado.

_________________
http://www.megaleiloes.com/leiloes.php? ... liveirarod ML - http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_14426169
"O colecionador é um homem mais feliz"
DIGA "NÃO" ÀS FALSIFICAÇÕES CHINESAS - Não colabore com mercado criminoso


Topo
   
MensagemEnviado: terça nov 27, 2018 12:10 pm 
Desligado
Reinado D.Afonso Henriques
Avatar do Utilizador

Registado: sábado dez 20, 2014 6:31 pm
Mensagens: 4006
Localização: Leiria
Muito obrigado pelas informações... Bela moeda...


Topo
   
MensagemEnviado: terça nov 27, 2018 2:22 pm 
Desligado
Reinado D.Afonso Henriques

Registado: sexta nov 05, 2004 9:55 pm
Mensagens: 7971
Muito interessante, a peça e todo o contexto histórico. São tópicos assim, que às vezes ficam esquecidos, que devem ser recuperados. Para mim, por exemplo, foi uma novidade.

Há inúmeros outros pormenores da história que também são interessantes.

O Manet pintou mais do que uma tela da execução do imperador. Nesta, que mostra aqui, a versão final, vê-se um pormenor interessante: em cima do muro, entre o povo que assiste à execução, há uma figura estranha que faz lembrar uma caveira, mas não se percebe muito bem. É como se Manet quisesse dizer-nos algo.

Imagem

A primeira versão, e a maior, foi destruída (pensa-se que pelo próprio pintor), nela vê-se melhor o imperador. O quadro está em Londres, na National Gallery (neste momento encontra-se fora de exposição: emprestado? restauro?) e foi recuperado dos farrapos cortados:

Imagem

Por fim... fazendo um elo entre Portugal, Brasil e o México, há a lenda (mito urbano...) de que a estátua de D. Pedro IV (Pedro I do Brasil) que está no Rossio, em Lisboa, é na verdade um reaproveitamento de uma estátua de Maximiliano que, indo de Viena para o México, estava num navio no Tejo quando se deu a revolução. Assim, com a morte do imperador, tinha deixado de fazer sentido mandar a estátua para o México e terá ficado em Lisboa, sendo reaproveitada para a transformar em... D. Pedro IV (I) :D.

Esta lenda é pouco consistente. As insígnias de D. Pedro na estátua são portuguesas (enquanto Duque de Bragança) e, numa estátua fundida, não sei se seria fácil fazer a alteração de insíginias Mexicano-Áustro-Húngaras... mas... será que são parecidos? :)

Imagem
(a coluna ficou pronta em 1867, por alturas do fuzilamento, realmente, mas a estátua e a inauguração só foi colocada em 1870)

_________________
MCarvalho


Topo
   
MensagemEnviado: terça nov 27, 2018 3:08 pm 
Ligado
Reinado D.Afonso II
Avatar do Utilizador

Registado: sexta jun 28, 2013 4:10 pm
Mensagens: 2197
Localização: Leiria (Distrito)
Vejam só, como uma moeda (neste caso, duas ...) nos pode ajudar a "fazer uma viagem pela história". :D
Obrigado, caros Fabiano e Mário, pelos excelentes textos com que "abrilhantaram" este Tópico, já de si (pelas moedas) muito interessante. :clap3: :thumbupleft:

_________________
Cumprimentos,
Sílvio Silva


Topo
   
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico  Responder a este Tópico  [ 7 mensagens ] 

Hora UTC


Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 0 visitante


Criar Tópicos: Proibido
Responder Tópicos: Proibido
Editar Mensagens: Proibido
Apagar Mensagens: Proibido
Enviar anexos: Proibido

Pesquisar por:
Ir para:  
Desenvolvido por phpBB® Forum Software © phpBB Limited
Traduzido por: phpBB Portugal